Aliados de Temer abrem mão de discursos para acelerar sessão do impeachment

Senadores de PSDB, PMDB, DEM e PP retiram inscrições para dar celeridade ao processo no Senado, Objetivo é votar pronúncia ainda nesta terça-feira (9). "Esta fase está consumada", afirmou o líder do PMDB, Eunício Oliveira

Jefferson Rudy/Agência Senado
Jefferson Rudy/Agência Senado
Se por um lado os aliados de Dilma conseguiram usar toda a manhã desta terça (9) com questões de ordem, do outro, a base aliada do presidente interino Michel Temer trabalha para acelerar o andamento do impeachment no Senado. Ao todo, até as 19h, quinze senadores abriram mão dos dez minutos protocolares a que têm direito para discursar no plenário da Casa. O número de inscritos, que chegou a 55, chegou a 40 – e com tendência de queda.

Maior bancada do Senado, o PMDB – encabeçado pelo líder Eunício Oliveira (CE) – optou apenas por ler o voto. "Esta fase está consumada, mas na próxima (votação final) todos vão falar", afirmou o senador ao Congresso em Foco. Segundo Eunício, "a grande maioria dos senadores já se declarou favorável à pronúncia".

O PSDB, por sua vez, escolheu o presidente do partido, Aécio Neves (MG), para representar a legenda na tribuna e anunciar o apoio à saída de Dilma Rousseff. Unem-se a tucanos e peedembistas, ainda, os senadores Ana Amélia (PP-RS), Ciro Nogueira (PP-PI), Wilder Morais (PP-GO) e Zezé Perrella (PTB-MG).

Antes da investida dos aliados de Temer para acelerar a sessão, chegou-se a considerar a hipótese de interrupção da sessão. A ideia, a princípio proposta pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG), teve o apoio de Lindberg Farias (PT-RJ), líder da oposição, mas foi abafada pela base do governo interino.

O principal objetivo dos aliados do governo é evitar que o julgamento final seja adiado. "Se a pronúncia não for concluída hoje, provavelmente o julgamento final não começará em 25 de agosto – o que é prejudicial a todo o país", afirmou Eunício. Segundo o líder, o PMDB trabalha com pelo menos 57 votos favoráveis ao impeachment nesta fase e pretende atingir mais de 60 no julgamento final, quando são necessários 54 para o afastamento definitivo de Dilma.

Após os discursos, serão apreciados os destaques apresentados pelos senadores. Só a partir dessa etapa o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que presidente a sessão do impeachment, poderá abrir votação.

Mais sobre o impeachment

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!