Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Alckmin sugere projeto aumentando rigor do ECA

Governador de São Paulo apresenta proposta na Câmara com quatro modificações. Principal delas aumenta para até oito anos o tempo de internação do menor infrator

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, entregou na Câmara nesta terça-feira (16) uma proposta que endurece o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) em quatro pontos. O principal deles aumenta de três para até oito anos o tempo de internação do adolescente em conflito com a lei. Apesar de ter sido elaborado pelo governo paulista, o texto foi protocolado pelo líder do PSDB na Casa, Carlos Sampaio (SP).

O projeto tem quatro pontos. O principal é que, nos crimes mais graves, o período de internação passe do máximo atual, de três anos, para até oito anos. Em casos de homicídio, por exemplo, o menor apreendido pela polícia e com a punição determinada pela Justiça, fica hoje até três anos internados. O debate sobre mudanças no ECA ganhou força após a morte de um universitário por um adolescente de 17 anos em São Paulo.

"Com apenas três anos de medida socioeducativa (...) isso não estabelece limites e a impunidade estimula a atividade delituosa. A nossa proposta é até oito anos para crimes hediondos, homicídio qualificado, latrocínio, extorsão mediante sequestro, estupro", afirmou Alckmin, logo após reunião com o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). O projeto deve ser distribuído para três comissões permanentes da Casa.

Alckmin disse na semana passada que apresentaria um projeto sugerindo modificações no ECA. O texto vinha sendo estudado por assessores do governador há dois meses. Outra mudança proposta pela equipe é a criação de um regime especial de atendimento para aqueles que ultrapassarem os 18 anos, mas que ainda tenham medida sócioeducativa a cumprir.

Outras mudanças previstas no texto são punições maiores para quem for reicidente e previsão de tratamento continuado para os casos de saúde mental. A última é o agravamento da pena para o maior que usar ou cooptar crianças ou adolescentes para o crime. Com a previsão de passar por pelo menos três comissões, a ideia é conseguir o regime de urgência e levar o texto direto para o plenário.

"Já fui deputado federal e sei que é uma Casa do Brasil inteiro, inúmeras propostas. Mas acredito que, se conseguirmos a urgência, é o clamor da sociedade. Vamos dar uma resposta. Estamos vendo crimes cada vez mais reicidentes, cada vez mais graves. Educar é como se conduzir em sociedade, precisa ter limite para esses casos mais graves", disse o governador de São Paulo.

O presidente da Câmara, no entanto, não se manifestou sobre o pedido de urgência. Disse, no entanto, que a análise da proposta exige uma "forma muito rápida" de debate. Para o peemedebista, o projeto "de maneira muito consciente, muito serena, responde a anseios e clamores e quase que angústia e desespero da sociedade brasileira".

Curta o Congresso em Foco no Facebook
Siga o Congresso em Foco no Twitter

Continuar lendo