Alckmin assumirá presidência do PSDB; Tasso e Marconi desistem de concorrer

 

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin vai assumir a presidência do PSDB no início de dezembro. O senador Tasso Jereissati (CE) e o governador de Goiás, Marconi Perillo, irão retirar suas candidaturas para liberar o caminho para Alckmin.

<< Comando do PSDB recomenda apoio à reforma da Previdência, mas não fecha questão no Partido

Alckmin, Jereissati e o governador de Goiás, Marconi Perillo e o presidente de honra do PSDB e ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso, participarão de um jantar na noite desta segunda (27) no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo, e devem selar o acordo. Alckmin é apontado como o principal presidenciável do partido e assumir o comando da sigla pode fortalecer sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto em 2018.

O principal articulador do acordo, costurado ao longo das últimas semanas é o ex-presidente FHC. Desde que o senador Aécio Neves (MG) reassumiu a presidência do PSDB para destituir Tasso - que já havia anunciado sua candidatura ao comando da sigla - e o substituiu por Alberto Goldman, o nome de Alckmin foi aventado para “pacificar” a sigla.

Desde que Aécio se licenciou do comando do PSDB, após as delações da JBS em que foi gravado pelo empresário Joesley Batista, o partido se dividiu em um racha entre a ala que defende o afastamento do governo de Michel Temer (PMDB) e a ala que se mantém mais próxima do Planalto.

Na tentativa de reestabelecer o consenso pelo menos sobre o comando do partido, o FHC passou as últimas semanas tentando convencer Alckmin a assumir a presidência tucana, concorrendo em uma chapa única, na reunião da executiva nacional, marcada para 9 de dezembro.

<< Aécio reassume PSDB para “garantir isonomia” entre Tasso e Marconi

<< Deputados pró-Aécio acusam Tasso de usar máquina partidária para manter comando tucano

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!