Cardozo vai usar afastamento de Cunha para tentar anular impeachment

Segundo advogado-geral da União, decisão de Teori de suspender o presidente da Câmara do mandato parlamentar mostra que o peemedebista utilizou o cargo em benefício próprio e contra Dilma. Argumento será usado em recurso para anular processo

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, afirmou nesta quinta-feira (5) que a decisão do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, de afastar Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara é uma prova que ele usou o cargo e o processo de impeachment da presidente Dilma em benefício próprio.

"Há uma clara evidência de desvio de poder", disse o advogado-geral. Para Cardozo, a decisão "mostra que Cunha agia para obstaculizar a sua própria investigação. Assim como usou o processo de impeachment em benefício próprio". "Ficou evidenciado por uma decisão judicial o que nós temos afirmado há muito tempo", ressaltou.

Cardozo ainda disse que vai encaminhar mais um pedido de anulação do processo de impeachment ao STF.

O ministro falou rapidamente antes de participar da comissão do Senado que discute o impeachment de Dilma, onde ele terá a última oportunidade de defender a presidente antes do colegiado votar o parecer do relator Antônio Anastasia (PSDB-MG) favorável à saída de Dilma.

Mais sobre o impeachment

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!