Aécio evita denúncia de Veja e mostra depoimento de Neymar

O candidato do PSDB não citou a denúncia da Veja mas falou em "Brasil mais honesto" caso seja eleito. Ao final mostrou um depoimento do jogador Neymar Jr. que mora na Espanha

Sem citar a denúncia da Revista Veja contra sua adversária Dilma Rousseff (PT) e o principal cabo eleitoral dela, o ex-presidente Lula (PT), o candidato do PSDB à presidência Aécio Neves  fez o seu último programa eleitoral em tom de despedida e trouxe como destaque o depoimento do jogador de futebol Neymar Jr em seu favor.

“Iniciei esta campanha dizendo que vocês são todos bem vindos a um tempo de mais eficiências e verdade. Bem vindos porque é assim que nós somos, acolhedores, solidários, generosos. E isso é o que nós brasileiros temos de melhor, de mais profundo, o nosso caráter, Justiça e honestidade.  Algo que não se pode abandonar nunca, nem mesmo numa disputa eleitoral”, disse em clara provocação à adversária.

Aécio Neves mostrou cenas festivas de sua campanha, trechos de mobilizações onde seus militantes cantavam o hino nacional que chamou de “onda pela mudança”.  O tucano pediu ainda o voto do eleitor indeciso neste segundo turno . “Estou preparado”.

Ao final do programa entrou Neymar Jr afirmando que decidiu gravar o vídeo após uma conversa com a família e apelou para que o eleitor não escolha branco ou nulo neste domingo.

“Estamos num momento político importante e sei que cada voto vai definir o futuro do nosso país. Não podemos ter votos nulos ou brancos neste momento. Cada voto será importante para a mudança do Brasil para um país ainda melhor para os nossos filhos. Um país que mude para alcançar os nossos sonhos”, disse o jogador que vive na Espanha.

Neymar defendeu que sua aparição no programa não é oportunismo. “Geralmente a opinião pública trata o apoio de uma personalidade como oportunismo. Não podemos ter medo de nos posicionar. É um direito nosso e democrático escolher um candidato. Votos nulos ou brancos não vão mudar o país. A escolha dos nosso candidatos não pode ser uma batalha campal e não é também uma luta entre o bem e o mal. Eu vou apoiar o candidato Aécio Neves porque me identifico muito com as propostas que ele tem para o Brasil”, concluiu.

Mais sobre eleições 2014

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo