Aécio diz que renúncia de Graça não impede punição por ‘malfeitos’

“Graça perdeu condições de continuar à frente da empresa, mas isso não significa que malfeitos serão anistiados. Vamos investigá-los com maior profundidade”, declarou. Assista ao vídeo

Presidente nacional do PSDB, o senador Aécio Neves (MG) divulgou nesta quarta-feira (4) vídeo de 51 segundos por meio qual diz que renúncia da presidente da Petrobras, Graça Foster, não impedirá a punição de “malfeitos” eventualmente praticantes por membros de sua diretoria. Na esteira da iminência da criação de uma comissão de inquérito parlamentar na Câmara, anunciada ontem (terça, 3), para investigar irregularidades na petrolífera, Aécio diz que a oposição também vai tentar instalar um colegiado misto.

Segundo o tucano, a saída de Graça “era inevitável”. “Certamente, a presidente Graça perdeu as condições de continuar à frente da empresa, mas isso não significa que os malfeitos serão anistiados. Ao contrário, vamos investigá-los ainda com maior profundidade”, disse Aécio, responsabilizando a dirigente pela mazelas na maior empresa brasileira.

 

"A queda da presidente [da Petrobras], Graça Foster era inevitável. A presidente da República achou que mantendo Graça à frente da Petrobras ela estaria blindada das irresponsabilidades e dos desvios que ocorreram na companhia. A partir de agora, quero afiançar, estaremos instalando a CPMI no Congresso Nacional para que todos os desvios apontados continuem a ser investigados. É importante sim para o Brasil que a Petrobras se recupere”, diz o senador, que nega o envolvimento de dois de seus correligionários no esquema bilionário de corrupção descoberto na empresa pela Polícia Federal, por meio da Operação Lava Jato.

Mais sobre a Operação Lava Jato

Mais sobre Petrobras

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!