Aécio diz que “respeitou resultado das eleições, mas não que ilegalidades continuassem”

Em discurso pré-julgamento, senador tucano, candidato derrotado por Dilma nas eleições de 2014, defende o impeachment da petista e diz que avisou sobre a “crise que estava por vir”

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato derrotado por Dilma nas eleições de 2014, , ao contrário do que pregam os aliados da petista, “respeitou o resultado das eleições, mas não que as ilegalidades continuassem”. Segundo o senador, “não tendo coragem de assumir seus erros e a gravidade dos atos cometidos, a presidente acusa a oposição como o fator desestabilizador do governo”.

Para o senador, a lista de crimes de Dilma seria muito mais extensa se não se restringisse aos fatos do segundo mandato. Disse ainda que os maiores crimes cometidos pela presidente afastada foram o alto número de desempregados, os cortes nos programas sociais e a inflação sobre os alimentos.

O senador tucano é investigado nos inquéritos 42464244 pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O presidente do PSDB é acusar de receber vantagens ilícitas de empresa contratada pela estatal Furnas Centrais Elétricas.

Segundo a denúncia da PGR, recursos irregularmente desviados de Furnas recebiam verniz legal por intermédio de pessoas jurídicas ligadas à irmã do senador tucano. Além disso, ainda de acordo com a acusação, o dinheiro era destinado a contas no exterior, por meio de doleiros, o que configura evasão de divisas.

Leia a íntegra da nota divulgada pela assessoria de Aécio Neves:

“O senador Aécio Neves não responde a nenhum processo no Supremo Tribunal Federal, a nenhuma ação ou denúncia do Ministério Público Federal ou da Justiça Federal e também não é investigado na Operação Lava Jato.

Em razão de uma citação feita em delação premiada do ex-senador do PT Delcídio Amaral, sobre questão já investigada e arquivada, o STF autorizou abertura de inquérito para verificação das informações dadas.

Esclarecemos que o ex-senador não apresentou qualquer prova contra o senador Aécio Neves, tendo afirmado que ouviu dizer de uma terceira pessoa, já falecida.

Vale destacar que, ao final das apurações em curso, a decisão da Justiça deverá ser inclusive pelo arquivamento do inquérito diante da ausência de quaisquer fatos indevidos, como já foi verificado anteriormente pela PGR em relação ao mesmo assunto.

O senador Aécio Neves permanece à disposição das instituições públicas brasileiras para prestar quaisquer novos esclarecimentos”

Mais sobre o impeachment

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!