Aécio critica ‘aparelhamento’ da Agência Nacional de Águas

Durante evento de campanha em Minas Gerais, tucano disse ter faltado “parceria maior” do governo federal com o paulista para resolver o problema de abastecimento em São Paulo

O presidenciável tucano Aécio Neves criticou nesta segunda-feira (20) o que qualificou de “aparelhamento político” pelo PT da Agência Nacional de Águas (ANA). Na visão do candidato tucano, os critérios usados para o preenchimento de cargos impediram que o órgão, vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, atuasse junto ao governo de São Paulo para evitar os problemas de abastecimento no estado.

"Se não tivesse o governo do PT servido a outros fins, nós lembramos bem, quais foram as indicações e os critérios adotados para ocupar cargos na ANA, ela poderia ter sido uma parceira maior do governador [Geraldo Alckmin]”, disse Aécio em entrevista coletiva país ato de campanha no Santuário Nossa Senhora da Piedade, em Minas Gerais. Ele estava acompanhado do senador eleito Antonio Anastasia (PSDB).

Durante a entrevista, ele defendeu o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, seu colega de partido. Afirmou que o governo atuou corretamente ao conceder bônus às pessoas que poupavam água. “Mais de 80% da população participou disso”, disse Aécio. Para o senador mineiro, “talvez tenha faltado uma parceria maior com o governo federal”.

O nível do Sistema Cantareira hoje está em 3,5%, de acordo com dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Ontem, o reservatório estava com 3,6% de seu nível. No final da semana passada, a Sabesp informou que restavam apenas 40 bilhões de litros de água da primeira cota da reserva técnica do Cantareira que começou a ser retirada no dia 16 de maio.

Mais sobre as eleições

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!