Advogado de Dilma mediou conversa entre Cardozo e defensores da Lava Jato

Segundo revista Veja, Flávio Caetano, atual secretário nacional de Reforma do Judiciário, telefonou para defensores da empresa UTC marcando o encontro com o ministro da Justiça

O encontro entre o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo e os advogados das empresas investigadas no esquema de corrupção da Petrobras foi mediado pelo atual secretário nacional de Reforma do Judiciário, Flávio Caetano, que trabalhou no ano passado como coordenador jurídico da campanha da presidente Dilma Rousseff (PT). A informação foi divulgada neste sábado pela revista Veja.

Segundo a revista, Caetano ligou para um dos advogados da UTC, Sebastião Tojal, afirmando que o ministro Cardozo estaria disposto a recebê-lo no Ministério da Justiça. A reunião entre advogados da Lava Jato e o ministro não estava na agenda oficial da pasta.

Flávio Caetano foi coordenador jurídico da campanha da presidente Dilma, coordenando uma equipe de 15 advogados, entre eles estavam nomes como estão nomes como o criminalista Pierpaolo Cruz Bottini, professor-doutor do Departamento de Direito Penal, Criminologia e Medicina Forense da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), que conseguiu absolver o ex-deputado Professor Luizinho (PT-SP) no julgamento do mensalão, e Arnaldo Versiani, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No último dia 19, Cardozo confirmou, por meio de nota, que teve encontro com advogados de empresas envolvidas na Operação Lava Jato. O ministro, no entanto, sustentou ser “dever do ministro da Justiça e de quaisquer servidores públicos receber advogados no regular exercício da profissão conforme determina o Estatuto da Advocacia”.

A confirmação veio depois que o jornal Folha de S.Paulo noticiou que Cardozo recebeu no ministério advogados da UTC e da Camargo Corrêa, que buscavam ajuda do governo para soltar 11 executivos presos desde novembro.

Na quinta-feira última (26), Cardozo disse que estava disposto a prestar esclarecimentos à Comissão de Ética Pública da Presidência da República sobre os encontros dele com advogados que defendem empresas envolvidas na Lava Jato. Ele reforçou ainda que “constantemente parlamentares da oposição questionam ministros na Comissão de Ética”, e que eles sempre respondem quando questionados.

“O que eu posso dizer é que o comportamento que eu tive foi absolutamente legal, ético e, portanto, não tenho nada a esconder. A Comissão de Ética apreciará nossas razões e, com a necessária independência, avaliará o caso que não passou de uma grande especulação”, afirmou Cardozo na quinta-feira.

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!