Advogado da Lava Jato compara processo a Guantánamo

Alberto Toron, que defende o presidente do grupo UCT Constran, afirmou em entrevista à Folha de S. Paulo que falta de acesso dos advogados à delação premiada é comparável à forma que terroristas foram presos após o 11 de Setembro

Alberto Toron, advogado do presidente do grupo UTC Constran, Ricardo Pessoa, comparou a falta de acesso das defesas às delações da Operação Lava Jato com a forma que pessoas presas em Guantánamo foram processadas após o atentado às Torres Gêmeas, em 11 de setembro de 2001. Para ele, que concedeu entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o Supremo Tribunal Federal (STF) está com medo de transformar o caso em um novo mensalão e acaba legitimando uma irregularidade.

"Os processos de Guantánamo tinham provas secretas. Do ponto de vista das provas, a Lava Jato é semelhante a Guantánamo", afirmou Toron à Folha. Para ele, o segredo mantido pelo juiz federal Sérgio Moro tornou-se desnecessário após o vazamento de trechos dos depoimentos do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef. "É inadmissível que haja processos ou inquéritos com acusações gravíssimas, prisões, sem que os acusados tenham noção completa do que foi dito"

Na entrevista, Toron afirmou que as prisões feitas até agora na Lava Jato, especialmente na sétima fase da operação, são desnecessárias. Para ele, o Supremo tem legitimado a atuação de Moro. Ele disse que os advogados dos empreiteiros investigados possuem "profunda reserva" à forma do magistrado atuar. "É triste e me pesa dizer isso, mas ele perdeu a imparcialidade".

Leia a íntegra da entrevista

Mais sobre a Operação Lava Jato

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!