Oposição conduz CPMI da Petrobras, mas votação de relatório final é adiada

Nova reunião foi convocada para 10h desta quinta-feira. Sem amparo regimental, oposição chegou a abrir sessão do colegiado e rejeitar texto governista

A votação do relatório final da CPI mista da Petrobras foi adiada há pouco, para esta quinta-feira (18), às 10h, em meio a uma situação inusitada: um comando alternativo que tentou, em vão, presidir os trabalhos e aprovar ao menos um dos relatórios lidos no âmbito do colegiado, entre eles o também alternativo texto apresentado pela liderança do PSDB na Câmara, que pede 61 indiciamentos. A ofensiva oposicionista foi provocada porque o presidente substituto da CPI, senador Gim Argello (PTB-DF), havia suspendido a votação mais cedo e remarcado a sessão para 20h. No entanto, uma rodada de apartes de despedida para o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que não foi reeleito em outubro, arrasta a sessão em plenário, impedindo deliberações em comissões temáticas.

Além da restrição regimental, o quórum do colegiado foi esvaziado, o que impediria a votação. Depois de o deputado Sibá Machado (PT-AC) ter pedido a verificação de quórum, constatou-se que a quantidade de parlamentares presentes à sala da comissão não era suficiente para promover qualquer decisão. Com maioria maciça da oposição naquele momento, o relatório do deputado Marco Maia (PT-RS), relator da CPI, chegou a ser rejeitado em votação presidida pelo deputado José Carlos Araújo (PSD-BA). O texto do petista, apresentado na semana passada, não pediu qualquer indiciamento, mas hoje ele retificou o próprio material.

Marcos Oliveira/Agência Senado
Diante do impasse, Gim Argello foi ao plenário se socorrer com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que está a postos para uma série de votações na pauta ainda nesta quarta-feira (17). Dizendo-se acometido por um “aperto momentâneo”, Gim quis saber de Renan o que poderia ser feito em relação à sessão antirregimental da CPI.

Mencionando o artigo 107 do parágrafo 1º do regimento interno, Renan disse que nada que viesse, por ventura, a ser aprovado na comissão teria validade, uma vez que a reunião da CPI não pode coincidir, “em qualquer hipótese”, com a ordem do dia em curso no plenário. “É natural que, no Parlamento, as coisas desdobrem para a questão política”, minimizou Renan, tranquilizando Argello.

Souvenir

Ao final das homenagens a Suplicy, Renan anunciou que o microfone de plenário que o senador petista usou por 24 anos seria retirado do local, dando lugar a outro, para então ser ofertado como lembrança de sua passagem pela Casa. Suplicy agradeceu, e avisou que ainda faria discursos até o fim do mandato. “Na próxima segunda-feira teremos sessão?”, questionou Suplicy, garantindo presença para novos discursos na próxima semana.

Oposição pede 61 indiciamentos na CPMI da Petrobras

Mais sobre Petrobras

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!