Acusados se defendem

Abelardo Camarinha (PSB-SP)

 

Ação Penal 417 – Crime ambiental.

Ação Penal 441 – Crime de responsabilidade. Contratação sem licitação pública.

Ação Penal 478 – Crime eleitoral.

Inquérito 2503 – Crime de imprensa, calúnia e difamação.

Inquérito 2702 – Crime eleitoral – Protocolado pelo Ministério Público Federal em 09/04/2008.

Inquérito 2694 – Crime contra licitações.

Inquérito 2673 – Crimes de Imprensa.

Inquérito 2648 – Crime praticado por prefeito, crimes de responsabilidade e contra a lei de licitações.

Inquérito 2638 – Crimes contra a ordem tributária.

Inquérito 2624 – crime contra a paz pública – incêndio e crime de quadrilha ou bando.

Inquérito 2623 – Crime eleitoral. 

 

Procurado pela reportagem, o deputado não retornou o contato. Mas, em resposta enviada ao site em setembro do ano passado, Camarinha diz que foi vítima de “calúnia” e “denuncismo” de seus adversários políticos em Marília (SP), onde foi prefeito. Leia a íntegra da defesa de Abelardo Camarinha.

 

Aníbal Gomes (PMDB-CE)

 

Ação Penal 347 – Crime contra a administração pública. Desvio de verbas.

Inquérito 1396 – Natureza não informada.

 

Em nota encaminhada ao site, o deputado diz que a ação penal se refere a um ato praticado por ele durante sua gestão à frente do município de Acaraú. Sem entrar no mérito da acusação, Aníbal afirma que o Inquérito 1396 “trata do homicídio de um ex-prefeito de Acaraú”. “Entretanto, o Ministério Público Federal, já na época, pediu imediatamente o arquivamento da denúncia por ausência total de provas”, ressalva o deputado. Leia a íntegra da nota.

 

Abelardo Lupion (DEM-PR)

 

Ação Penal 425 – Crime eleitoral.

 

Procurado pela reportagem, o deputado não retornou o contato. Mas, em resposta enviada ao site em setembro do ano passado, Lupion disse que o caso tem relação com a eleição de 1988, na qual foi acusado de utilizar dinheiro de “terceiros”. “Foi uma denúncia política e eu vou derrubá-la”, declarou. Leia a íntegra da nota encaminhada ao site pelo deputado.