Acusado de receber propina da Odebrecht, presidente do Peru renuncia ao cargo

 

 

O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, entregou sua carta de renúncia ao Congresso na tarde desta terça-feira (21), de acordo com jornais daquele país. Kuczynski renunciou após a divulgação de vídeos que indicam compra de votos para que o Congresso barrasse seu impeachment. O primeiro pedido de destituição do presidente, barrado em dezembro, foi motivado após a delação premiada da Odebrecht, que teria pago propinas milionárias a empresas ligadas a Kuczynski quando ele ainda era ministro.

O país será comandado até 2021 pelo primeiro vice-presidente, Martín Vizcarra, assim que o Congresso aceitar a renúncia de Kuczynski.

<< Ex-presidente do Peru Ollanta Humala é preso por corrupção no caso Odebrecht

O Congresso peruano votaria amanhã (quinta, 22) uma nova moção para destituir Kuczynski. A primeira, aberta após a revelação de que a empreiteira brasileira Odebrecht pagou propinas a empresas ligadas a Kuczynski, foi votada em dezembro e não obteve os votos necessários para que o presidente fosse destituído.

Nos últimos dias, o partido de oposição Fuerza Popular divulgou vídeos e áudios que colocavam Kuczynski no centro de mais uma crise política,  escândalo, dessa vez com a compra de votos para barrar seu impeachment em dezembro.

<< Em que momento Peru e Brasil fracassaram?

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!