Grupos conservadores avançam nas redes sociais

Da revolta “pop” ao uso de perfis fake e robôs importados da campanha eleitoral, redes sociais são tomadas por ativistas políticos conservadores, mostra reportagem da Pública

Natália Viana, da Pública

Aos 37 anos, o carapicuibano André Ricardo de Paulo não sabe explicar com precisão qual sua tendência política. “Eu não sei me definir ainda. Posso dizer que sou conservador politicamente e liberal no sentido econômico”, diz. “Não tem como negar que estão ligados à direita.” Mas alguns anos atrás André sabia perfeitamente o que era: “Não tinha consciência política”. Em 2002, na campanha eleitoral que elegeu Luiz Inácio Lula da Silva, votou nulo simplesmente por não conhecer nada sobre o tema. Em 2006, votou pela reeleição do ex-presidente. “Nós achávamos o máximo o Lula no poder. O Lula é um fenômeno, sair de onde ele saiu e chegar aonde chegou.” Hoje em dia, depois de ter buscado se informar, André está seguro de que o Brasil vive uma “ditadura disfarçada” e de que “Lula e Dilma fazem parte do mesmo  projeto: espalhar o comunismo na América”, explica ele, na varanda da casa dos sogros, uma coleção de puxadinhos de concreto em Carapicuíba, cidade da grande São Paulo, onde mora com a família da esposa – os pais e os cunhados –, além dos dois filhos.

Até cerca de sete anos atrás, André nunca tivera tempo de pensar em política. Trabalha desde os 14 anos. Foi office-boy, operador de telemarketing, assistente administrativo. Hoje tem sua pequena empresa que fornece serviços de telefonia. “Trabalhei praticamente todos os fins de semana, desde cedo”, diz. Tudo mudou quando um primo indicou-lhe a leitura da página do filósofo e polemista Olavo de Carvalho no Facebook. “Logo nas primeiras coisas que eu vi do Olavo já percebi que eu tava errado. É tão claro.” Desde então, André visita a página todos os dias, além de seguir outros colunistas como Felipe Moura Brasil e Rodrigo Constantino, da Veja. Faz eco às bandeiras abraçadas por seus autores preferidos: defende o Estado mínimo, é a favor da redução da maioridade penal, ataca o que chama de “gayzismo” – a imposição do modo de vida homossexual sobre a sociedade – e acha que políticas como Bolsa Família e cotas “deixam as pessoas acomodadas”.

Como centenas de milhares de brasileiros, o “despertar” político de André tem tudo a ver com a sua crescente intimidade com a internet. Hoje ele usa sua página no Facebook para compartilhar notícias de interesse, propagando informação para seu círculo. “Já tive posts de cem comentários, até uns 150 likes. Isso aí vai pra tanto lugar que você não imagina”, orgulha-se. “Não confio em mídia nenhuma a não ser nas alternativas”, explica, citando os sites Mídia sem Máscara, de Olavo de Carvalho, e Folha Política.

Segundo a Pesquisa Brasileira de Mídia 2015, realizada pelo Ibope, a internet é de longe o meio de informação que mais cresce entre os brasileiros. Metade da população já usa internet. Desde o ano anterior, aumentou de 26% para 37% o número daqueles que a utilizam todos os dias. Sessenta e cinco por cento dos jovens na faixa de 16 a 25 anos se conectam todos os dias durante mais de cinco horas, em média. Entre os internautas, 92% estão conectados por meio de redes sociais, sendo as mais utilizadas o Facebook (83%), o WhatsApp (58%) e o YouTube (17%). Apenas 7% leem jornais diariamente. A TV continua sendo o meio mais usado: 73% disseram assistir diariamente.

“A internet é hoje em dia um campo de batalha entre a velha ordem repressora e os projetos de liberação das jovens gerações. Todos esses projetos sociais estão presentes na internet, e é por ela que se chega às mentes das pessoas”, analisa o sociólogo catalão Manuel Castells, professor da Universidade do Sul da Califórnia (USC, na sigla em inglês), que estuda o impacto da tecnologia na cultura e na política. “É o verdadeiro lugar do poder.”

Quem influencia a rede?

No dia 2 de junho o ídolo de André, o filósofo Olavo de Carvalho, participou de um hangout no YouTube de quase duas horas com um time de “estrelas” da nova direita online. Fábio Ostermann, fundador do Movimento Brasil Livre, o cantor Lobão, Beatriz Kicis, procuradora do Distrito Federal e membro do Revoltados Online, além do ativista Dalmo Accorsini, discutiam qual seriam “os próximos passos contra o PT”. Foi apenas mais um de dezenas de hangouts parecidos que, a cada 15 dias, reúnem “influenciadores” da rede conservadora. Uma semana depois, na última terça-feira, os principais perfis compartilhavam freneticamente imagens e slogans exigindo que o TCU rejeitasse as contas do governo Dilma por ter segurado repasses de cerca de R$ 40 bilhões, aparentando um melhor equilíbrio nas contas. Os e-mails dos juízes do TCU foram compartilhados nas redes e receberam centenas de mensagens. Um deles chegou a receber mais de 800 e-mails na manhã do dia 17. Deu resultado. “Já tivemos contas muito piores, mas o momento é outro. O país cobra mais fiscalização, e a presidente é impopular. Essa decisão não seria tomada contra Lula no auge da popularidade”, teria dito um deles, segundo a Folha de S.Paulo.

Em comum, os diversos canais online de direita apostam em um discurso agressivo contra todas as “causas” que combatem, uma violenta oposição ao atual governo e a descrença generalizada na mídia e nos jornalistas (com exceção de Veja) cuja cobertura consideram governista. “Os panelaços foram chamados pelos articulistas da Veja, que se engajam politicamente, são articuladores do processo, atores políticos. Mas também surgiram novas lideranças e microlideranças de opinião”, diz o sociólogo e ativista digital Sérgio Amadeu, professor da Universidade Federal do ABC.

Embora tenha raízes nas manifestações em junho de 2013, o novo ativismo digital de direita teve seu papel ampliado e consolidado durante a campanha eleitoral do ano passado, quando diferentes grupos se uniram em torno da candidatura oposicionista de Aécio Neves. Depois de uma campanha agressiva, marcada pelo uso de robôs, perfis fake e fabricação indiscriminada de boatos por todos os lados, o debate que hoje domina as redes segue o mesmo padrão virulento, chegando até, por vezes, ao discurso do ódio. “O crescimento dessas redes produziu uma crise dentro da internet brasileira. Discursos como o do deputado Jair Bolsonaro, com grande repercussão, esse discurso de ódio, de apologia à repressão, tem um grande impacto, por exemplo, sobre a situação das mulheres na rede – um tema que eu estou estudando”, analisa o professor Fábio Malini, coordenador do Laboratório de Estudos de Imagem e Cibercultura (Labic) da Universidade Federal do Espírito Santo.

Malini estuda há um ano a atividade de 411 páginas de direita no Facebook, avaliando sua influência. Até junho, aquela com maior número de seguidores era a do comediante oposicionista Danilo Gentili (10,9 milhões), seguida pela TV Revolta (3,5 milhões) – canal que ganhou fama pelo YouTube – e por Felipe Neto, também celebridade no YouTube (2,6 milhões). O deputado federal Marco Feliciano (2,6 milhões) é o quarto mais popular entre os listados pela equipe do Labic, um dos dois políticos a entrar na lista dos mais populares, além de Jair Bolsonaro. Na quinta posição está a página assumidamente machista Orgulho de ser Hétero (1,9 milhão). Se considerada a popularidade das páginas – quantos perfis estão “falando sobre elas” –, outros nomes que promovem conteúdos viralizantes entram em cena. Na primeria semana de junho, a página abertamente machista Orgulho de Ser Hétero teve maior alcance, de 665 mil, seguido por Revoltados Online (557 mil), pela página de Bolsonaro (532 mil) e por Danilo Gentili (467 mil). “Passar a retuitar continuamente um agregado de sujeitos/perfis, passar a darlike continuamente em páginas nunca antes conhecida expressam novas ações político-afetivas que precisam ser levadas mais a sério pela ciência política contemporânea”, explica Malini.

Explore aqui o gráfico interativo das principais páginas de direita, produzido pelo Labic para esta reportagem.

Malini conseguiu identificar cada uma das agrupações por afinidades políticas, no que ele chama de “perspectiva”. No grupo vermelho, encontram-se as páginas mais populares. “São páginas de miscelâneas noticiosas contra o governo do PT, em defesa dos principais valores do conservadorismo (família heteronormativa, trabalho e Deus). O tema principal dessa perspectiva relacional é uma cruzada antipetista, mas é um agrupamento irradiador e acompanhador de notícias”, explica. O grupo verde inclui páginas que se autodenominam de direita e conservadoras. “A temática nacionalista – a defesa da pátria, a valorização da essência da nação – aparece como elemento central das páginas que formam essa perspectiva. É um “não aos comunas” como um não a qualquer transformação social nos valores do conservadorismo. Faz todo sentido que as páginas “faca na caveira” estejam em associação com as de ‘direita’. Porque a repressão passa, no imaginário ainda autoritário brasileiro, pelo uso da força policial, como se esta fosse a produtora exclusiva da ordem.

A perspectiva lilás representa aqueles grupos identificados religiosamente, como o de Marco Feliciano. “É menor em número, mas muito forte do ponto de vista político”, explica Malini. Finalmente, o grupo azul aparece mais isolado. Trata-se de páginas mais jovens, ligadas ao Movimento Brasil Livre e seguidores, cuja pauta principal é o impeachment da presidente. “É curioso que as páginas mais ao centro ainda não estejam mais ligadas a eles. Essa perspectiva possui, em seus conteúdos, uma prioridade de articular internet e rua, difundindo relatos e convocações de atos e manifestações do movimento. São mais anti-Dilma do que anti-PT.”

Outras descobertas interessantes sobre “quem pauta a rede” de direita vêm da empresa de monitoramento e intervenção digital Interagentes, capitaneada por Sérgio Amadeu. A equipe monitorou através do Twitter dois eventos importantes: o panelaço contra o discurso de Dilma Rousseff no dia 8 de março e a repercussão nas redes da marcha de 12 de abril. Os levantamentos mostram que as “autoridades” – atores que conseguem obter maior adesão ao discurso que disseminam na rede – variam de um dia para o outro. Aparecem nomes como Danilo Gentili, o senador Ronaldo Caiado, Lobão, Blog do Noblat e Veja, mas também contas de autoria desconhecida como @coroneldoblog, @marisascruz, @edmilsonpapo10 e @MirandaSa. Como no Facebook, os ataques violentos comandam o tom. Veículos mais tradicionais, como o G1, acabaram sendo usados apenas para corroborar o ativismo conservador. No dia 8, o tuíte mais retuitado foi o de uma cobertura do site em 2008, que anunciava que a presidente chegava a um evento: “Dilma chega”. Teve mais de 18 mil retuítes. No auge do protesto virtual, entre as 21h e 22h, houve 78.793 menções ao assunto do panelaço, ou 22 tuítes por segundo.

Um mês depois, um grupo igualmente articulado partiu em defesa do governo, como mostra o grafo relativo à manifestação do dia 12 de abril. Diante do número de manifestantes, inferior aos protestos de março, conseguiram levar a hashtag #AceitaDilmaVez aos trending topics do Twitter, ganhando repercussão na imprensa tradicional. Em seguida, perfis opositores como DaniloGentili, SenadorCaiado, Lobão fizeram campanha para subir a hashtag #SaiDilmaVez, conseguindo ultrapassar por um período a frase governista, que teveno final 101.140 ocorrências contra 41.813 da tag #SaiDilmaVez. “A lógica de disputa entre hashtags é similar à lógica panfletária: cada lado usa os recursos que tem a fim de ocupar mais espaço. Ela é, no entanto, uma amostra da disposição dos militantes de disputar o espaço das redes”, diz a análise da Interagentes.

Leia a íntegra da reportagem na Pública

A nova roupa da direita

Mais sobre redes sociais


Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!