1º Congresso Brasil 2030 discute a concretização da República plena

 

Na primeira noite do Congresso Brasil 2030, os convidados aprofundaram a questão central do evento, que debate os desafios que impedem o Brasil de pôr em prática os objetivos estabelecidos na Constituição Federal de 1988.

<< Abertura do 1º Congresso Brasil 2030 ressalta necessidade de maior envolvimento da sociedade na política

A mesa de introdução do debate principal da noite teve a secretária de Planejamento do Governo do Distrito Federal, Leany Lemos; o diretor-presidente da Publicae, Olavo Santana; o idealizador do Projeto Brasil 2030, André Rafael, e o fundador do Congresso em Foco, Sylvio Costa, em debate sobre os quatro princípios em pauta: construir uma sociedade livre, justa e solidária; promover o desenvolvimento nacional; erradicar a pobreza e reduzir as desigualdades sociais e regionais; e atender ao interesse de todos os cidadãos, sem discriminação de origem, raça, sexo, idade ou qualquer outra.

Lembrando do dia da Consciência Negra celebrado hoje (20), André Rafael apresentou dados que mostram as consequências do preconceito racial que a população negra ainda enfrenta, como a sub-representação, baixos índices de educação e aumento da violência contra negros. Ele também afirmou esperar que, em 2030, a distinção negros e brancos não importe mais, ou importe menos, e que as cores sejam um orgulho de nossa diversidade.

“Precisamos de maior senso de urgência”, afirmou, tendo os quatro objetivos estabelecidos na Constituição como uma lanterna para sair da crise.

Para Calazans, o Congresso Brasil 2030 e seus participantes têm o objetivo de contribuir para um país melhor. Ele também afirmou que há atores com pensamentos e atuações políticas diferentes, mas que estão agindo juntos para gerar mais engajamento social. “Temos que pensar em uma construção coletiva”, afirmou.

Já Sylvio Costa apontou que, como os dados trazidos por André ressaltam, a República está longe de se concretizar plenamente, sendo ainda muito excludente. Para ele, é preciso encarar a polarização, o que ainda é uma tarefa muito grande, reforçada pelas redes sociais, onde se realimentam “preconceitos, versões falsas” sobre quase tudo, e em todos os cantos dos espectros políticos. Ele lembrou que a democracia é essencial nesse processo. “Nenhuma solução para a democracia vem com menos democracia, e sim com mais democracia”, afirmou.

Única mulher à mesa, Leany Lemos reforçou a importância da participação feminina não somente nesse debate, mas em todas as discussões sociais. Ela também lembrou que aos objetivos da Constituição, discutidos em pleno 2017, são princípios discutido nas elaborações das Constituições do século 19. “Estamos discutindo princípios do século 19. Precisamos requalificar esses elementos discutidos”, disse ela.

 

<< A República e seus desafios são tema de evento na UnB

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!