“Você ou a trust comprou esta gravata de grife?”

Pergunta foi feita a Cunha pelo deputado Júlio Delgado, para quem o presidente afastado da Câmara se beneficia da modalidade de aplicação financeira detectada em seu nome no exterior. Reunião do Conselho de Ética consumiu sete horas de discussões

Depois de mais de quatro horas de depoimento no Conselho de Ética, o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), exaltou-se ao rebater declaração do deputado Júlio Delgado (PSB-MG). Júlio, que foi adversário de Cunha na corrida eleitoral pela Presidência da Casa, perguntou se a gravata e o terno de Cunha teriam sido comprados por ele ou pela trust, modalidade de movimentação financeira que Cunha diz ter feito no exterior – pretexto escolhido pelo peemedebista para tentar desqualificar as provas de que tem contas na Suíça e de que, por meio delas, movimentou milhões de dólares e francos suíços, segundo denúncia da Procuradoria-Geral da República e aceita por unanimidade pelo Supremo Tribunal Federal (STF), transformando Cunha em réu.

“Se o dinheiro das contas paga diárias de Hotel em Dubai, quem dorme nos lençóis de seda é o senhor ou a trust?", fustigou.

Cunha, por sua vez, respondeu que a indagação do socialista tinha viés político, além de ser vingativa. "Você disputou eleição de presidente [da Câmara] comigo e perdeu. Você nunca será eleito presidente dessa Casa", afirmou o peemedebista. Cunha disse ainda que, caso se confirme a candidatura de Júlio à Presidência, ele será novamente derrotado.

Lucio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados
Aliado de Cunha, Wladimir Costa (SD-PA) defendeu o peemedebista e também atacou Júlio Delgado. "Aparentemente o senhor está mais sujo que pau de galinheiro", disse o aliado de Cunha a Júlio. A troca de acusações causou tumulto no colegiado.

 

 

 

O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PSD-BA), interveio e afirmou que a comissão era destinada a tratar das acusações contra Cunha, não contra Delgado. Wladimir Costa, então, voltou a atacar Araújo: "É porque o senhor é um apaniguado dele".

Cunha depõe no Conselho de Ética da Câmara para se defender no processo que enfrenta por quebra de decoro parlamentar. Ele é acusado de ter mentido, em maio de 2015, à CPI da Petrobras ao dizer que não tinha contas bancárias no exterior, tese desmontada na ação penal a que o peemedebista responde no STF.

Siga ao vivo o depoimento de Cunha ao Conselho de Ética:

 

Mais sobre a Operação Lava Jato

Mais sobre Conselho de Ética

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!