Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

2017 foi um dos piores anos da história do Congresso, avalia analista político

Colunista do Congresso em Foco, o analista político Antônio Augusto de Queiroz classifica a produção legislativa deste ano, em termos de qualidade, “uma das piores de todos os tempos”. A despeito da quantidade de proposições analisadas e votadas, diz o especialista em artigo de fim de ano, deputados e senadores não só estiveram de costas para o povo, em termos de políticas públicas, como também optaram pelo fisiologismo e pelo compadrio em nome da manutenção do presidente Michel Temer (PMDB) – denunciado por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução de Justiça – no cargo.

 

“O sentido do republicanismo e da impessoalidade no emprego dos recursos e dos poderes do Estado, na atual sessão legislativa, foi completamente ignorado. Com exceção da queda da inflação e das taxas de juros, é um ano para esquecer, sob todos os demais pontos de vista”, lamenta Antônio, diretor de Documentação do Departamento Intersindical de Assessoramento Parlamentar (Diap), para quem cada voto de plenário foi negociado com o governo em troca de interesses particulares ou corporativos.

No artigo, em que faz um resumo-balanço sobre o que fizeram deputados e senadores neste ano de reformas, o analista diz que o símbolo da relação antirrepublicana do governo Temer com o Congresso é a escolha, no cerrar de cortinas do ano, do deputado Carlos Marun (PMDB-MS) para a articulação política (Secretaria de Governo). Conhecido pelo estilo truculento na defesa não só de Temer, mas do deputado cassado (e preso) Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a quem foi visitar na cadeia com dinheiro público.

“A sessão legislativa de 2017 foi uma das piores de todos os tempos porque, além de ineficaz do ponto de vista de aprovar políticas públicas relevantes e do atendimento das necessidades do país, viciou os parlamentares numa prática descarada de fisiologismo, a ponto de o novo ministro da coordenação do governo estar condicionando a liberação de recurso aos estados ao apoio de suas bancadas à reforma da Previdência”, acrescenta o diretor do Diap.

Veja a íntegra do artigo de Antônio Augusto:  Congresso teve produção "grande e ruim" em 2017, segundo Antônio Augusto de Queiroz

Leia também:

<< Denúncias x proposições: a pauta atravessada que marcou o segundo semestre do Congresso em 2017

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!