“Se mantivermos esse Congresso, Lava Jato morre”, diz procurador da força-tarefa em Curitiba

 

Fábio Bispo, de Florianópolis
Especial para o Congresso em Foco

Dizendo trazer experiência de quem passou pelo “Caso Banestado” – que, na década de 1990, investigou escândalo de evasão de dezenas bilhões de reais do Banco do Estado do Paraná –, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, fez duras críticas ao sistema político brasileiro.

<<Janot defende fim da Lava Jato antes que “mãos externas” a encerrem

<<Jucá: troca de governo “estanca sangria” da Lava Jato

Em sua apresentação no 9º Seminário de Transparência e Controle, em Florianópolis, nesta quarta-feira (30), Carlos Fernando acusou o Congresso de tramar um plano para anistiar políticos investigados dos crimes a eles imputados pela Lava Jato, medida que, segundo ele, põe em risco as apurações dos últimos três anos e meio da maior operação de combate à corrupção da história do país.

“Eles não vão arriscar perder o foro privilegiado. E será uma anistia enganosa, vão pedir pela finalidade de caixa dois para se livrarem de todos os crimes”, afirmou, sem especificar de que maneira a proposta é articulada. “Se mantivermos esse Congresso, a Lava Jato vai perecer”, acrescentou.

Segundo o procurador, as revelações da Lava Jato precisam resultar na punição dos reconhecidamente culpados para não cair em descrédito. “Precisamos de um Legislativo que não queira se anistiar de qualquer forma e de um Judiciário que não mude a jurisprudências de acordo com a cara do freguês”, declarou.

Depois do impeachment

Carlos Fernando também demonstrou incômodo com as críticas que a Lava Jato recebeu. Primeiro, da parte de petistas, que acusavam a operação de mirar somente o Partido dos Trabalhadores e os governos Lula e Dilma. E, depois, dos que se deram por satisfeitos com a saída da petista do Planalto.

“Sentimos uma mudança muito grande a partir do impeachment da presidente (Dilma). Sabemos e sempre soubemos que parte do establishment só queria retirar o Partido dos Trabalhadores do poder. Nós estamos investigando corrupção, seja de que partido for. Infelizmente, parte da comunidade jurídica, da imprensa e da população não entendia da mesma forma. Entendia que isso era apenas um movimento para tirar a presidente Dilma do poder. Isso não é fato, as investigações continuaram e revelaram fatos de outros partidos”, disse.

Para Carlos Fernando, a transparência na administração pública e as investigações são boas ferramentas para se combater a corrupção. “Mas podem representar mais corrupção se a população souber o que ocorre e nada for feito”, observou. “Nós precisamos mudar os paradigmas. Quem cumprirá a lei quando percebe que parlamentares não precisam cumprir”, emendou.

"Tome vergonha na cara"

Enredado em recente troca de farpas via Facebook com Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, advogado de réus e demais investigados na Lava Jato, o procurador argumentou que na internet é um cidadão e que pode manifestar suas opiniões políticas. “Ainda mais nos dias de hoje, em que nossa política é criminosa”, disparou.

A troca de farpas têm se intensificado nos últimos dias. No início da semana, Kakay afirmou que a relação do juiz Sérgio Moro com o advogado Carlos Zucolotto Junior, acusado por ele de fazer negociações com a operação, deveria ser interpretada como crime de obstrução à Justiça.

Em sua página oficial no Facebook, Carlos Fernando retrucou o advogado em tom duro. “Kakay diz que Sérgio Moro deveria ser preso em decorrência das fantasias de um livro de um réu foragido, cujos trechos foram publicados em uma coluna social. Mesmo considerando os flexíveis limites éticos do ‘autoproclamado melhor advogado do país’, desta vez Kakay foi longe demais. O que cabe aqui é simplesmente lhe dizer: ‘Tome vergonha na cara’”, disparou o procurador.

Kakay nega ter dito que o juiz Sérgio Moro, de Curitiba, deveria ser preso e disse “não pensar assim”. “Basta ler o que escrevi. Logo desnecessária a agressão pessoal deste procurador. Ele está sendo acusado. Eu dou a ele o benefício da dúvida. Eu não acusei ninguém, comentei as acusações dando a ele o pressuposto da presunção de inocência, que ele e sua turma negam a todos”.

Na nota enviada ao Congresso em Foco, o advogado diz que trabalhou pela autonomia e independência do Ministério Público. “Não poderíamos prever os que usurpariam o prestígio do MP, e usariam estes poderes de forma pusilânime e autoritária. A estes a história mostrara a verdadeira face”, rebateu, sem citar nomes. Advogado de políticos e empresários investigados na Operação Lava Jato, Kakay tem realizado duras críticas públicas ao que chama de “República de Curitiba”.

Leia íntegra da nota do advogado Kakay:

"Um procurador, midiático, usando a rede social,faz uma agressão pessoal a mim e não responde aos fatos postos. Eu nunca disse que o Dr Moro deveria ser preso, até porque não penso assim. Basta ler o que escrevi. Logo, desnecessária a agressão pessoal deste procurador. Ele está sendo acusado. Eu dou a ele o benefício da dúvida. Eu não acusei ninguém, comentei as acusações dando a ele o pressuposto da presunção de inocência, que ele e sua turma negam a todos. Não fiz critica generalizada pois respeito profundamente o Ministério Público. Modestamente ajudei e trabalhei para a sua completa independência que tanto bem faz ao pais e a democracia. Claro que não poderíamos prever os que usurpariam o prestígio do MP, e usariam estes poderes de forma pusilânime e autoritária. A estes a história mostrara a verdadeira face.

Me recuso a responder ofensas pessoais, pareceria uma " resposta" a instituição do MP, a quem eu sempre rendo minhas homenagens. Não me dou tanta importância para usar facebook para ofender as pessoas. Nem facebock tenho. Tenho ao meu lado a verdade: é necessário investigar todos os fatos. As grandes vantagens e conquistas da Lava Jato, que eu não me canso de enumerar, não podem fazer com que os excessos não sejam denunciados, discutidos. Acharam que eram deuses e heróis e que não deviam satisfação a nada e a ninguém. Os que eles acusam podem agir assim? Eles se acostumaram a ter a mídia 100% ao seu lado e se perderam no excesso de espetacularização e na acusação sem limite.

Não acusei ninguém, tenho o vício da defesa, mas apontar a necessidade de discutir os evidentes excessos é um dever meu. Este procurador, que desonra o MP, ao usar o facebook como maneira de intimidação, de forma ridícula, nem mereceria resposta, mas eu o faço em homenagem a um MP que orgulha o país e ao qual a advocacia respeita, elogia e reverencia."

 

 

<<Fachin suspende investigação contra Temer e baixa inquérito do “deputado da mala”

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!