“Sanguessuga era para encobrir mensalão”, diz candidato

Na disputa pela presidência da Câmara, Ronaldo Fonseca diz que “armação” envolveu evangélicos na máfia das ambulâncias. Para ele, mensalão não existiu, e Supremo condenou sem provas

Candidato a presidente da Câmara, o deputado Ronaldo Fonseca (PR-DF) afirma que a máfia das ambulâncias, revelada pela Operação Sanguessuga, nada tinha a ver com evangélicos apesar de ter reduzido a bancada protestante à metade. Pastor de uma Assembleia de Deus em Taguatinga (DF), ele afirma, sem citar autores, que houve uma “armação”, em 2006, para encobrir o mensalão, que atingia a imagem do PT e do então presidente Lula. “Precisavam tirar o mensalão da cabeça do povo”, declarou ele, em entrevista ao Congresso em Foco. Ronaldo diz que, pelas suas apurações, só dois dos 19 parlamentares evangélicos estavam realmente envolvidos nas fraudes no orçamento.

Tudo sobre a eleição da Mesa

Candidato evangélico quer derrotar gays no voto
“Ditadura gay eu não aceito”, diz Ronaldo Fonseca
"Mensalão não existiu", diz deputado candidato
“Ninguém quer ser enxovalhado como nós”, diz deputado

Ao mesmo tempo, o deputado do PR foi um dos defensores do governador petista do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, na CPI do Cachoeira. “Eram uma covardia que estavam fazendo com ele – foi provado agora.” Também endossa o coro do PT de que o mensalão não existiu e que os ministros do Supremo Tribunal Federal condenaram sem provas e pressionados pela população que a tudo assistia ao vivo pela televisão. “O homem é vaidade pura.”

Apesar disso, admite que colegas de colegas da igreja e do partido cometeram erros nos dois episódios (sanguessugas e mensalão). Mas deveriam ser punidos de uma forma mais branda em sua opinião. Sobre o presidente de honra de seu partido, Valdemar Costa Neto (PR-SP), diz que ele recebeu dinheiro público. “Ele teve uma certa culpa porque pegou um dinheiro que hoje é um dinheiro público. Só que passaram para ele como se fosse empréstimo de um banco.” Admite que “escorregou” um de seus colegas “sérios” da bancada evangélica quando pediu que a família Vedoin, operadora da máfia das ambulâncias, pagasse uma dívida de campanha após apresentação de uma emenda que beneficiou os donos da empresa Planam.

Adotando discurso conciliador, Ronaldo Fonseca não vê conflito entre o Supremo e o Congresso na perda de mandato dos condenados do mensalão. Considera coisa “absurda” a possibilidade atual de um político sentenciado à cadeia exercer o mandato, mas entende que não há o que fazer, a não ser cumprir o que diz a lei. E futuramente mudar a Constituição, mas não agora, de maneira casuística. Por isso, assim como quer a maioria de seus colegas, Ronaldo defende que seja votada em plenário a cassação – ou não – dos mandatos dos condenados pelo STF por formação de quadrilha e corrupção.

Tudo sobre a eleição da Mesa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!