“Podem vasculhar, nada será encontrado”, diz ex-tesoureiro de Dilma

Ex-deputado que coordenou a arrecadação de recursos para a petista afirma que campanha não recebeu nenhum centavo do esquema denunciado pela Lava Jato e desafia a oposição

Responsável pelas finanças da campanha à reeleição da presidenta Dilma, o ex-deputado estadual Edinho Silva (PT-SP) disse que a petista não recebeu nenhum centavo que estivesse relacionado a desvios na Petrobras. “Nunca cheguei perto de absolutamente nada que tivesse vínculo com contratos da Petrobras, ao contrário, só ouvia reclamações por conta da inadimplência que, segundo eles, afetava a saúde econômica de vários segmentos. Arrecadei dentro da legalidade”, afirmou em entrevista ao Estadão.

O tesoureiro contou que foi escolhido por Dilma para “blindar” sua candidatura à reeleição das denúncias da Operação Lava Jato e desafiou a oposição a investigar as doações arrecadadas pela petista.  “Podem vasculhar a campanha, nada será encontrado. Quando cheguei para ser o tesoureiro, as investigações (da Lava Jato) já estavam em andamento. Assumi a tarefa da tesouraria para blindar a campanha daquele ambiente que já era ruim, essa era a minha principal tarefa”, declarou ao repórter Ricardo Galhardo.

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Dilma recebeu R$ 68,5 milhões de sete empreiteiras da Lava Jato. Essas mesmas empresas, no entanto, doaram R$ 40,2 milhões à campanha presidencial do tucano Aécio Neves (PSDB). Segundo Edinho, se a oposição quiser criminalizar as contribuições privadas, a mesma tese terá de ser aplicada a todas as empresas, a todos os governos que as contratam e a todos os partidos que recebem dinheiro delas. “Se não for assim, será uma investigação contra um só partido. Isso seria rasgar o princípio da isonomia e acabar com o Estado de Direito”, disse.

No final do ano passado, o PSDB tentou evitar a diplomação de Dilma, alegando que sua campanha tinha sido abastecida com recursos desviados da Petrobras. Mas o pedido foi negado pelo TSE, que aprovou as contas da candidata. “A grande vítima hoje é o PT, amanhã será o PSDB, depois qualquer outro partido. A criminalização da política cria o pressuposto para o autoritarismo”, acrescentou o ex-tesoureiro de Dilma.

Leia a entrevista de Edinho Silva ao Estadão

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!