“Lula tem energia de 30 e tesão de 20”, diz Haddad

 

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) arrancou gargalhadas do público presente à manifestação em defesa do ex-presidente Lula na Casa de Portugal, na capital paulista. Ao falar que o sonho dos adversários de Lula é ganhar do líder petista por WO (ou seja, no tapetão), Haddad usou uma expressão curiosa ao definir o companheiro de partido: "Eles têm todo o direito de (tentar) ganhar do Lula. Está difícil, mas eles têm direito. (Lula) tem 72 anos, energia de 30 e tesão de 20".

 

A frase foi repetida pelo próprio ex-presidente, em tom de brincadeira, ao final de seu discurso (veja vídeo abaixo), feito nessa quinta-feira (18). "Não se descuidem!", acrescentou Lula. O ex-presidente reforçou sua intenção de concorrer à Presidência em outubro, seja qual for o resultado do julgamento de seu recurso contra a condenação no caso do tríplex do Guarujá (SP).

"Eu quero que o PT me indique para a Presidência da República. Se o PT quiser, estarei como candidato à Presidência, aconteça o que acontecer", disse. "Eu duvido que os juízes que já me julgaram ou que ainda vão me julgar estejam com a tranquilidade que eu estou. Estou com a tranquilidade dos justos, dos inocentes. A minha tranquilidade vai infernizar a vida deles", emendou.

<< Julgamento de Lula será transmitido pelo Youtube

<< Ministério Público quer aumentar pena de Lula

No ato, convocado por causa do julgamento do próximo dia 24 pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), além de Lula e Haddad, diversos outros petistas e intelectuais discursaram.

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), ironizou o presidente do TRF-4, desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores, que em audiência com a presidenta do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, alertou para a ocorrência de ameaças contra os magistrados que participarão do julgamento. "Corre risco? Eles é que fizeram o Brasil correr risco", afirmou Gleisi.

A senadora, que disse no início da semana que teriam de “matar gente” para prender Lula, declarou que os petistas são pacíficos, mas não passivos. "Somos pacíficos, mas não somos passivos e nem somos mansos. Não vamos admitir uma condenação", discursou.

Também foram lidas, no evento, manifestações de apoio a Lula escritas pelo filósofo norte-americano Noam Chomsky, pelo jurista Celso Antônio Bandeira de Mello e pela professora e pesquisadora Ermínia Maricatto. O ex-ministro das Relações Exteriores Celso Amorim reforçou o tom internacional de rejeição à condenação do ex-presidente. Um dos autores do manifesto "Eleição sem Lula é fraude", que circula na internet, leu mensagem do ex-secretário-geral da Anistia Internacional Pierre Sané. "O Brasil não merece as demonstrações patéticas que temos visto no país. Se os cidadãos africanos pudessem votar, eles votaram em massa para levar Lula de volta ao poder", ressaltou Sané, de acordo com o texto lido por Amorim.

Veja o ato em vídeo:

<< Se for condenado, Lula só poderá ser preso após recursos, esclarece tribunal

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!