Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

“Fake news” poderão ter na eleição brasileira de 2018 dimensão “muito preocupante”, diz pesquisador da Universidade do Texas

 

Responsável pelo lançamento do primeiro jornal digital brasileiro (o JB Online), Rosental Calmon Alves possuía quase 30 anos de uma bem-sucedida carreira jornalística quando, em 1996, aceitou um convite para trabalhar como professor da Universidade do Texas, em Austin. Ali, criou o Centro Knight para o Jornalismo das Américas, do qual é diretor, e organiza anualmente um dos principais eventos de jornalismo digital do mundo – o Simpósio Internacional de Jornalismo Online (ISOJ, na sigla em inglês).

Também se notabiliza pela facilidade com que transita por três territórios que são  mais distantes entre si do que costuma imaginar a maioria das pessoas: as áreas de jornalismo, das novas tecnologias e a comunidade acadêmica. Um dos raros brasileiros incluídos entre os palestrantes da edição deste ano do South by Southwest, Rosental se confessa um “ciberentusiasta” e “quase que um evangelizador digital”.

Ainda assim, ao receber o Congresso em Foco para uma conversa em sua sala na Universidade do Texas, confessou estar “muito preocupado” com o impacto que as novas tecnologias – e, sobretudo, as redes sociais e as bolhas de desinformação que elas abrigam – terão nas eleições brasileiras. “O Brasil é um dos países que têm uma das dinâmicas de rede social mais intensas do mundo. Quando os americanos não tinham nem prestado atenção no fenômeno de rede social, os brasileiros já tinham se diplomado e tinham PhD em Orkut. Em 2006, você já via o Lula e o Alckmin fazendo campanha no Orkut”.

No vídeo a seguir, Rosental Alves também fala da importância do jornalismo para a democracia e como o WhatsApp pode ser danoso ao debate público. Confere lá!

 

 

 

Veja também:

<< Em Austin, um mergulho no novo mundo da tecnologia

<< Errou, baby: fake news, bad news

Continuar lendo