Rede flerta com Marta Suplicy, mas descarta aliança com o PT

A Rede Sustentabilidade já estava com as conversas bem adiantadas com a ex-prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, que deseja pleitear ao cargo novamente em 2020. Mas, após receber uma pesquisa que demonstra que, em caso de aliança com o PT, poderia ser vencedora na capital paulista, Marta se inclinou em fechar com Fernando Haddad de cabeça de chapa e ela como vice. A Rede, entretanto, não aceita fechar acordo com o partido "bolsonarista de vermelho", como declarou um membro da diretoria do partido ao Congresso em Foco.

> Rede discute apoio a Marta Suplicy para a prefeitura de São Paulo

Nesta semana, Marta recebeu uma pesquisa que demonstra que caso saia em uma chapa como vice de Fernando Haddad (PT), as chances de ir para o segundo turno com possibilidade de vitória aumentariam consideravelmente. A eleição municipal em São Paulo terá um impacto grande na esfera federal e por isso, o mundo político de Brasília avalia cada movimento da ex-prefeita. Os comentários desta terça-feira (11) é que desde que recebeu a pesquisa, Marta está decidia a ir com Haddad.

As informações deste texto foram publicadas antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br

A equipe de Marta Suplicy afirmou ao site que a ex-prefeita não fechou com o PT, mas não descartou a possibilidade da chapa Haddad e Marta. Assim como uma fonte afirmou à reportagem ontem (10), que "todas as possibilidades estão abertas", a assessoria da pré-candidata disse que existe diálogo com o PDT, PV e um convite do Solidariedade. "Marta pode ser cabeça de chapa, vice ou cabo eleitoral, nada está fechado. Ela pensa no que é melhor para São Paulo", afirmou a equipe da pré-candidata.

A ex-prefeita, porém, tem um carinho especial pela Rede, "por ser um partido sem escândalos de corrupção e com um olhar ambiental". A Rede, da mesma maneira, quer Marta na sigla, mas descarta a possibilidade de filiação se ela seguir com o plano de compor com o PT.

Marta busca costurar uma "frente ampla democrática" no estado de São Paulo, mas PDT, PSB e Solidariedade não querem unir-se com o PT e isso pode fazer esta frente ruir.

A equipe de Marta garante que a candidata visa derrotar o bolsonarismo na capital paulista por entender que esta eleição municipal pode definir as eleições de 2022. "Ela quer tirar a extrema direita", afirma sua equipe.

Haddad não se decidiu

A presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, disse em entrevista ao Congresso em Foco no último dia 15, que  Fernando Haddad  "não deve ser" candidato em São Paulo. Apesar desta declaração, nos bastidores, o nome de Haddad segue sendo aventado.

> Esquerda não superou regime político apodrecido, diz líder do Psol

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!