Pastor “ex-gay”, herdeiros políticos e bolsonaristas encabeçam lista de campeões de votos na Câmara

Ao se reeleger com 1.843.735 votos, Eduardo Bolsonaro (PSL) entrou para a história da Câmara. Foi a maior votação já obtida por um deputado, superando o recorde alcançado em 2014 por Celso Russomanno (PRB-SP). Escrivão da Polícia Federal, o filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) carrega três marcas que distinguem muitos dos campeões de voto destas eleições: é de uma família de políticos, atua na área da segurança pública e apoiador do candidato mais bem colocado no primeiro turno da eleição presidencial, o seu pai, Jair Bolsonaro (PSL).

Dos 27 mais votados em cada unidade federativa, ao menos 11 têm histórico familiar na política, seis são policiais ou militares e dois apresentam programas policialescos de TV. Percentualmente, porém, ninguém obteve votação maior do que João Campos (PSB-PE). Aos 23 anos, o filho do ex-governador Eduardo Campos (PSB) recebeu mais de 460 mil votos (10,63% dos votos válidos).

Em agosto de 2014, a vida do "menino de Eduardo" – alcunha com que João se apresentou na campanha eleitoral – mudou radicalmente quando, em plena corrida presidencial, seu pai morreu em um acidente de avião em Santos (SP). Começava a jornada do então estudante até ocupar o lugar que seria da mãe, Renata Campos, no PSB. Ela optou por ficar fora da vida pública, frustrando os planos do partido, de forma que coube a João vocalizar o legado do ex-governador.

João Campos teve estrutura de gente grande na campanha, com mais de R$ 1,5 milhão para gastar e o apoio de políticos de proa da política pernambucana, numa lista que reúne deputados, vereadores e prefeito. Recebeu do correligionário Paulo Câmara, reeleito governador de Pernambuco no primeiro turno, todo o amparo para disputar o pleito. Engenheiro civil, diz que centrará esforços em três frentes durante seu primeiro mandato, além da própria valorização da atividade política: educação, geração de empregos e defesa dos recursos hídricos.

"Ex-gay" e "doido de Salvador"

Pastor Sargento Isidório chega ao Congresso com a maior votação da bancada baiana. Foto: Facebook

Pastor e militar, o campeão de votos na Bahia é um deputado estadual que declara ser um "ex-gay curado por Deus". Candidato a prefeito da capital baiana em 2016, Pastor Sargento Isidório (Avante) se apresentou durante aquela campanha como o "doido de Salvador". Não se elegeu. Mas, no último domingo, foi o campeão de votos da nova bancada federal da Bahia ao receber 323.241 votos. Por tabela, elegeu João Isidório, seu filho, deputado estadual.

O pastor é conhecido por carregar a bíblia debaixo do braço, a exemplo do deputado Cabo Daciolo (Patriota), que concorreu à Presidência da República, e por defender a controversa "cura gay", bandeira de integrantes da bancada evangélica.

O PSL, de Jair Bolsonaro, foi o partido que mais fez campeão de votos. Além do novo recordista Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), a legenda também teve o candidato mais votado em Goiás, com Delegado Waldir, em Mato Grosso, com Nelson Barbudo (PSL), em Minas Gerais, com Marcelo Alvaro Antônio, e no Rio de Janeiro, com Hélio Fernando Barbosa Lopes, um subtenente do Exército nego que fez campanha usando emprestado o sobrenome Bolsonaro.

Lista completa dos senadores e deputados federais eleitos em 2018

Saiba mais sobre os donos das maiores votações nos estados:

ACRE

Mara Rocha (PSDB) - 40.047 votos (9,42%)
Estreante na política, é empresária e jornalista

ALAGOAS

JHC (PSB) - 178.645 votos (12,25%)
Reeleito, é filho do ex-deputado João Caldas

AMAPÁ

Camilo Capiberibe (PSB) - 24.987 (6,85%)
Ex-governador do Amapá, é filho da deputada Janete Capiberibe (PSB) e do senador João Alberto Capiberibe (PSB)

AMAZONAS

José Ricardo (PT) - 197.266 (11,20%)
Deputado estadual, fará sua estreia no Congresso

BAHIA

Pastor Sargento Isidório (Avante) - 323.241 (4,72%)
Deputado estadual, o militar e religioso fará sua estreia no Congresso. Elegeu neste domingo o filho
João Isidório deputado estadual

CEARÁ

Capitão Wagner (Pros) - 303.593 (6,61%)
Deputado estadual, ganhou notoriedade em 2011, quando liderou uma greve da Polícia Militar

DISTRITO FEDERAL

Flávia Arruda (PR) - 121.340 (8,43%)
Empresária, faz sua estreia na política. É casada com o ex-governador do Distrito Federal José Roberto
Arruda (PR)

ESPÍRITO SANTO

Amaro Neto (PRB) - 181.813 (9,41%)
É deputado estadual e apresentador do programa Balanço Geral, da Record em Vitória

GOIÁS

Delegado Waldir (PSL) - 274.406 (9,05%)
Pela segunda vez consecutiva foi eleito o deputado mais votado do estado. É delegado da Polícia
Civil e integra a chamada bancada da bala no Congresso

MARANHÃO

Josimar Maranhãozinho (PR) - 195.219 (5,98%)
É empresário e deputado estadual

MATO GROSSO

Nelson Barbudo (PSL) - 126.249 (8,52%)
Produtor rural, foi um dos principais aliados de Jair Bolsonaro em Mato Grosso. Ficou conhecido nas redes sociais com críticas ao governo federal, ao PT e aos sem-terra

MATO GROSSO DO SUL

Rose Modesto (PSDB) - 120.901 (9,75%)
Vice-governadora do estado e professora

MINAS GERAIS

Marcelo Alvaro Antonio (PSL) - 230.008 (2,28%)
Deputado reeleito, é empresário. Em 2014 foi apenas o 49ª da lista de 53 deputados eleitos por Minas
Gerais. Filho do ex-deputado estadual Álvaro Antônio Teixeira Dias

PARÁ

Edmilson Rodrigues (Psol) - 184.042 (4,65%)
Deputado reeleito e professor, já foi prefeito de Belém pelo PT

PARAÍBA

Gervásio Maia (PSB) - 146.860 (7,38%)
É o atual presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba. É da tradicional família política nordestina Agripino Maia

PARANÁ

Sargento Fahur (PSD) - 314.963 (5,49%)
É policial militar aposentado

PERNAMBUCO

João Campos (PSB) - 460.387 (10,63%)
Filho do ex-governador Eduardo Campos (PSB), falecido em um desastre aéreo em 2014, é engenheiro
civil recém-formado. Bisneto de Miguel Arraes, é primo em segundo grau de Marília Arraes (PT), dona da segunda maior votação da bancada pernambucana

PIAUÍ

Rejane Dias (PT) - 138.800 (7,76%)
Reconduzida a um novo mandato, é casada com o governador reeleito do Piauí, Wellington Dias (PT). É formada em Administração

RIO DE JANEIRO

Helio Fernando Barbosa Lopes (PSL) - 345.234 (4,47%)
Subtenente do Exército, usou o sobrenome Bolsonaro durante a campanha eleitoral. Divulgou vídeo recentemente para se apresentar como prova de que o presidenciável, seu padrinho político, não é racista

RIO GRANDE DO NORTE

Benes Leocadio (PTC) - 125.841 (7,82%)
Ex-prefeito do município de Lajes, é servidor público estadual

RIO GRANDE DO SUL

Marcel Van Hattem (Novo) - 349.855 (5,99%)
Suplente de deputado estadual, é cientista político e tem 32 anos. É considerado uma das principais lideranças da juventude de direita no estado. Trocou o PP pelo Novo em março

RONDÔNIA

Léo Moraes (Podemos) - 69.565 (8,88%)
É deputado estadual e advogado

RORAIMA

Haroldo Cathedral (PSD) - 14.751 (5,45%)
Empresário do ramo da educação, é proprietário da Faculdade Cathedral, da qual tomou emprestado o sobrenome político. Foi cotado para disputar o governo de Roraima pelo grupo político do senador Romero Jucá (MDB)

SANTA CATARINA

Hélio Costa (PRB) - 179.307 (5,05%)
É apresentador do programa de TV Cidade Alerta Santa Catarina, da RIC Record

SÃO PAULO

Eduardo Bolsonaro (PSL) - 1.843.735 (8,74%)
Filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), alcançou a maior votação da história da Câmara, marca que pertencia a Celso Russomanno (PRB-SP), com 1.524.361 votos. É escrivão da Polícia Federal e integrante da bancada da bala no Congresso

SERGIPE

Fábio Mitidieri (PSD) - 102.899 (10,30%)
Reeleito, é administrador e filho do deputado estadual Luiz Mitidieri

TOCANTINS

Tiago Dimas (SD) - 71.842 10,03%
Filho do prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas, tem curso superior incompleto

 

Saiba quais são os 157 deputados que não conseguiram se reeleger

MDB mantém maior bancada no Senado, que fica mais fragmentado e menos feminino

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!