Marun declara voto em Bolsonaro e aponta semelhança com agenda de Temer

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB), disse nesta segunda-feira (15) que votará em Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno da eleição, em 28 de outubro. O candidato do PSL disputa a Presidência contra o petista Fernando Haddad.

Para Marun, há semelhanças entre a agenda de Bolsonaro e as medidas do governo Temer. “É uma agenda mais liberalista, uma agenda que defende privatizações [...] É uma agenda que defende a reforma trabalhista. Tem vários aspectos de sinergia conosco, com relação ao que é pleiteado pelo governo”, disse, segundo relata o portal de notícias UOL.

O ministro já havia se posicionado no último fim de semana, por meio de nota, em relação ao segundo turno da eleição. A amigos, informou divergir de Bolsonaro nas questões de políticas externas, mas que concorda com o candidato em vários pontos, como “a valorização da família tradicional; a necessidade de um combate duro à violência; o direito de o cidadão possuir arma para a sua defesa, de sua família e do seu patrimônio; necessidade de valorização do patriotismo; necessidade do resgate do sentimento de respeito à autoridade; necessidade da alteração das regras que definem horários para determinadas programações nas TVs abertas; redução da maioridade penal”, entre outros.

Na nota, Marun afirma que vê “muito sintonia” entre o pensamento econômico apresentado pela equipe de Bolsonaro e a agenda do governo Temer. O ministro também justifica sua escolha lembrando que se esforçou muito para que “o PT fosse expulso do poder”.

O MDB, partido de Marun, e o governo de Michel Temer não apoiarão nenhum candidato no segundo turno. O ministro disse que se manifestou “como cidadão e líder político” para recomendar aos amigos o voto em Bolsonaro. Mas negou que tivesse entrado em contato com o candidato ou algum membro da coordenação da campanha.

“Não pleiteio nenhuma função no futuro governo. Estou me afastando da política a partir de janeiro de 2019”, afirmou. Em janeiro do próximo ano termina o mandato de Marun como deputado federal. O político pediu licença do cargo para assumir a Secretaria de Governo de Michel Temer, em dezembro de 2017.

MDB decide manter neutralidade no segundo turno

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!