Marina Silva (PSB)

Alçada da condição de vice a cabeça de chapa após a morte de Eduardo Campos, candidata concorre pela segunda vez ao Planalto. Pelo PV, recebeu quase 20 milhões de votos em 2010

Natural de Rio Branco (AC), tem 56 anos, é ambientalista, historiadora e psicopedagoga. Tornou-se candidata à Presidência após a morte do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), de quem era candidata a vice. Sua entrada na corrida eleitoral mudou o cenário. Já nas primeiras pesquisas apareceu na segunda colocação, tornando praticamente certa a realização de um segundo turno.

Nascida numa família de seringueiros, foi empregada doméstica e só se alfabetizou aos 16 anos. Militou ao lado de Chico Mendes (assassinado em 1988). Vereadora e deputada estadual, chegou ao Senado em 1994, aos 36 anos, sempre pelo PT. Reeleita senadora em 2002, licenciou-se no ano seguinte para comandar o Ministério do Meio Ambiente no governo Lula. Permaneceu no cargo até maio de 2008, quando pediu demissão após uma série de desgastes.

Filiada ao PV, disputou a Presidência da República em 2010, quando recebeu quase 20 milhões de votos e terminou na terceira colocação. É evangélica da Assembleia de Deus. Filiou-se ao PSB em outubro de 2013 após a Justiça eleitoral negar a fundação do partido que idealizava, a Rede Sustentabilidade. Seu candidato a vice é o deputado federal do Rio Grande do Sul, Beto Albuquerque.

A previsão de gastos apresentada pelo PSB ao TSE é de R$ 150 milhões. Seus bens estão avaliados em R$ 181 mil. Além do PSB, fazem parte de sua coligação o PHS, o PRP, o PPS, o PPL e o PSL.

Declaração de bens da candidata

Os financiadores de Marina

As propostas de governo

Mais sobre eleições

Assine a Revista Congresso em Foco

Eleições 2014