DEM se aproxima de apoio a Ciro Gomes em viagem de Maia e deputado do PDT

Em missão oficial pela Câmara dos Deputados ao Chile, o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) e os deputados José Carlos Aleluia (DEM-BA) e Mario Heringer (PDT-MG) tiveram uma pauta constante: um possível apoio do DEM, aliado histórico do PSDB, ao pré-candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes. As conversas têm caminhado bem, segundo um dos integrantes da comitiva.

“Esse é o nosso assunto em tempo integral”, afirmou o pedetista mineiro em entrevista ao Congresso em Foco no início da noite desta quarta-feira (18), enquanto encerrava os compromissos no Chile e se preparava para voltar ao Brasil. O tema das conversas, entre os compromissos oficiais, é voltado para aparar arestas em uma possível aliança entre as agremiações, de acordo com ele.

Heringer é tido como o principal conector entre Ciro e Maia. O presidente da Câmara foi obrigado a viajar para acompanhar a agenda de Michel Temer (MDB), que também está no exterior. Com o calor das costuras de acordos pré-eleitorais, Maia aproveitou o tempo de viagem para continuar a articulação.

Amigo de Maia e viajando a convite do presidente da Câmara, Heringer aponta que o carioca - que deve retirar a própria pré-candidatura ao Planalto nos próximos dias - é uma das pessoas mais importantes dentro das articulações, especialmente na conversa com o PDT. “Ele é um dos maiores representantes do DEM. Claro que o presidente é o ACM Neto, mas ele também é muito importante nisso [nas conversas sobre alianças] e tem sido procurado por vários setores para conversar, inclusive por nós do PDT”.

O deputado destacou o peso do DEM nas alianças em torno de um presidenciável. Além do apoio da quarta maior bancada partidária na Câmara - mesmo que dividida, uma vez que há deputados que já declararam apoio a outros pré-candidatos - o tempo de TV estimado do partido é de quase um minuto.

“Mas também não é só apoiar por apoiar. Tem, primeiro, as questões políticas e ideológicas que têm de ser acertadas, e depois também tem de acertar as questões locais, nos estados”, explica o mineiro.

O partido de Maia se divide, nos estados, entre o apoio a Bolsonaro - como na coligação já fechada entre PP, DEM, PSL e Pros no Rio Grande do Sul; ao tucano Geraldo Alckmin - o ex-ministro e vice-presidente da sigla, deputado Mendonça Filho (PE), também é ventilado como vice do peessedebista; e a Ciro, como tem demonstrado Maia.

Heringer afirmou ainda ter esperança na convergência em torno do ex-governador do Ceará e que o momento é de construir maioria, e não criar constrangimentos nos estados.

Movimento ao centro

Aliado histórico do PSDB desde a época em que ainda era PFL, o partido de Rodrigo Maia se alia à centro-direita do espectro político. Desde março deste ano, quando lançou a pré-candidatura ao Planalto pelo DEM, o presidente da Câmara tem se colocado como o candidato do centro.

No dia 8 de maio, dia da convenção do DEM para confirmar o prefeito de Salvador, ACM Neto, na presidência da sigla e Maia como candidato ao Planalto, o deputado fluminense afirmara seu apoio a projetos sem radicalismos e que não tenham “visão atrasada” entre direita e esquerda.

“Que o centro não seja apena um ponto entre a esquerda e a direita, mas seja um ponto de diálogo permanente. Esse é o projeto que quero defender”, disse Maia a jornalistas naquele dia.

Maia diz que estará no segundo turno e que não tem obrigação de defender legado de Temer

O pedetista também aponta que a cúpula partidária do DEM é composta de quadros mais novos e com uma visão social mais ampla dentro do próprio espectro da centro-direita. Além disso, o comando do partido acredita que as eleições deste ano tendem a fugir das polarizações rumo ao centro.

“É um momento de mudanças e é uma mudança que converge para o centro. E, em cima disso, as conversas são feitas do ponto de vista de se adequar, desde já, o discurso que vai ser feito por esse candidato, por esse grupo de partidos”.

Mesmo assim, “tudo pode acontecer” e, nas conversas até agora, “nada é intransponível”, acrescenta o deputado mineiro.

Aparando arestas

Com fama de explosivo, Ciro trabalhou durante toda a pré-campanha neste ano para evitar que a má-fama de seu temperamento prejudicasse suas alianças. Mesmo assim, recentemente virou alvo de um pedido de investigação por injúria racial pelo Ministério Público de São Paulo após chamar o vereador paulistano Fernando Holiday (DEM) de “capitãozinho do mato”.

Ontem, ao ser sabatinado na Associação Brasileira das Indústrias de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), reclamou da ação: "Agora um promotor aqui de São Paulo resolveu me processar por injúria racial e pronto. Um filho da puta desses faz isso e pronto". No momento da fala, o pedetista não sabia que a autora do pedido de investigação era uma mulher.

A fama de intempestivo e brigão acompanha o presidenciável, mas o Heringer aponta que o Brasil conhece o cearense, que já “deixou claro” sua postura reativa durante a pré-campanha. O deputado disse à reportagem que Ciro já foi governante e demonstrou que é capaz de dialogar.

Ciro, nas relações pessoais, destaca ele, é “um espetáculo de pessoa”, mas “tem de reagir mesmo”.

União da esquerda

Além de todas as negociações com o chamado “centrão”, especialmente com DEM, PP e PR, o PDT também faz acenos ao PCdoB. Manuela D'Ávila, deputada estadual do Rio Grande do Sul e também pré-candidata ao Planalto, também é cogitada como possível vice de Ciro, como forma de unir os partidos de esquerda.

E o flerte com o DEM também não atrapalha uma união entre o campo da esquerda. Na opinião pessoal do pedetista mineiro - que ressalta não ser necessariamente a mesma de seu partido -, a busca do PT pelo “protagonismo único e absoluto” fragmenta e enfraquece a esquerda em vez de uni-la em torno de um projeto vencedor.

“Como Lula fez lá atrás em 2002, que virou o ‘Lulinha Paz e Amor’, fez os acordos e fez a Carta ao Brasil, não pode pedir que a esquerda se una em torno dele simplesmente por ser ele. A esquerda tem de continuar tendo um projeto de país, e que nesse momento seja um projeto mais aliado ao centro do que à própria esquerda, que não quer se unir”, opina.

Inteligência artificial revela as estratégias dos presidenciáveis no Instagram

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!