Bolsonaro diz ser alvo de “ataques covardes”: “Nunca cogitei volta da CPMF”

O candidato do PSL a presidente, Jair Bolsonaro, escreveu hoje em sua conta no Twitter que votou a favor da revogação da CPMF na Câmara e que jamais cogitou a volta do tributo incidente sobre movimentações financeiras. Esse é o terceiro dia seguido em que o presidenciável se manifesta sobre a proposta de criação de um imposto semelhante ao extinto em 2007, atribuída ao seu guru econômico, o economista Paulo Guedes.

jb t

A possibilidade de recriação da CPMF gerou atritos dentro da campanha de Bolsonaro, que alega nunca ter tratado do assunto. Mais cedo, o presidenciável chamou de “covardes” os ataques feitos por seus adversários à sua candidatura.

"Enquanto adversários dedicam seus milhões em campanha a ataques covardes contra nós, o Brasil sofre com 60 mil homicídios por ano, 14 milhões de desempregados, 50 mil estupros. Essa é a diferença. A preocupação deles é com o poder a qualquer custo. A nossa é com o futuro do país!", escreveu.

Negativa

A possibilidade de recriação da CPMF, cogitada pelo guru econômico de Bolsonaro, foi revelada na quarta-feira pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo. Após a polêmica causada, Guedes cancelou participação em eventos, como o organizado nesta sexta-feira pela Câmara Americana de Comércio (Amcham).

Assim que a notícia começou a circular, ainda na quarta, Bolsonaro foi às redes sociais negar a intenção de criar mais imposto. “Nossa equipe econômica trabalha para redução da carga tributária, desburocratização e desregulamentações. Chega de impostos é o nosso lema! Somos e faremos diferente. Esse é o Brasil que queremos!”, postou logo pela manhã.

À noite, depois que seus adversários exploraram o assunto, Bolsonaro voltou às redes para negar a proposta de maneira mais incisiva. “Ignorem essas notícias mal-intencionadas dizendo que pretendemos recriar a CPMF. Querem criar pânico pois estão em pânico com nossa chance de vitória. Ninguém aguenta mais impostos, temos consciência disso.”

Versão de Guedes

Em entrevista ao jornal O Globo, Guedes tratou a tributação sobre movimentações financeiras como uma alternativa em estudo para substituir entre quatro a seis tributos. Segundo ele, a iniciativa concorre com a ideia de criar um imposto sobre valor agregado (IVA), em análise por outros candidatos.

“Não é a CPMF. A primeira diferença é que a CPMF é um imposto a mais. (A nossa proposta) seria um imposto único. Não é aumento de imposto de jeito nenhum, é uma simplificação (tributária) brutal”, afirmou o economista ao jornal.

Vítima de um atentado em 6 de setembro, em Juiz de Fora (MG), Bolsonaro está internado há duas semanas no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, onde passou por cirurgia para reconstituição do intestino.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!