Políticos repercutem escolha de novo ministro da Educação

O anúncio do pastor Milton Ribeiro para o Ministério da Educação nesta sexta-feira (10) repercutiu entre os congressistas. Em 18 meses de gestão Jair Bolsonaro, o pastor é o quarto ministro à frente da pasta.

A deputada Joenia Wapichana (Rede-RR) destacou que a nomeação de Ribeiro aconteceu no mesmo dia em que o presidente retirou a vaga dos indígenas no Conselho Nacional de Educação (CNE). "É mais um ato contra os direitos indígenas de ter a sua participação e representatividade em um espaço tão importante na área de educação e que defenda uma educação escolar indígena de forma específica e diferenciada aos povos indígenas", disse. A vaga no Conselho Nacional de Educação, uma das importantes conquistas dos povos indígenas na Educação Escolar Indígena, era ocupada pelo Membro Titular, Gersem Baniwa.

Já a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) exaltou o currículo do ministro.

A líder do Psol na Câmara, Fernanda Melchionna (RS), afirmou que a educação brasileira vive "um verdadeiro apagão. Após um ano e meio de gestões obscurantistas, o que vemos é um cenário de perseguição e desmonte das universidades públicas e de aprofundamento da desigualdade social no ensino básico".

A parlamentar disse ter duas certezas. "A primeira delas é de que o ataque à Educação é uma questão estrutural no governo, que mira na Ciência e no conhecimento como algo a ser derrotado. A segunda, é o de que para a Educação do país melhorar é necessário que Bolsonaro saia do poder. O presidente tem se mostrado um inimigo da saúde do povo e da Educação brasileira".

Já o líder do PDT na Câmara, Wolney Queiroz (PE), desejou que o ministro "possa fazer com que o governo, finalmente, tenha um projeto de educação para o Brasil."

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, também desejou sorte ao colega de governo e desejou que consiga enfrentar os grandes desafios da pasta".

A deputada Joice Hasselmann desejou força ao novo ministro.

Ribeiro assume a cadeira depois da saída conturbada do professor Carlos Alberto Decotelli, que foi nomeado mas não chegou a tomar posse e acabou deixando o posto apenas cinco dias depois de ter o nome anunciado pelo presidente. Antes dele, Abraham Weintraub ocupou o posto. No início do mandato de Bolsonaro, a pasta foi comandada por Ricardo Vélez Rodríguez. A nomeação de Ribeiro já foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (veja a íntegra). A data da posse ainda não foi marcada.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!