Faltam servidores na Polícia Rodoviária Federal

Após concurso marcado por fraudes, o departamento busca permissão para abrir concurso com 1,5 mil vagas e salários que podem chegar a R$ 10 mil

São 70 mil quilômetros de estradas e apenas 9,1 mil servidores. Depois de concurso marcado por denúncias de fraudes, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) sofre com um pesado déficit em seu corpo funcional. Para tentar amenizar a situação, o departamento, ligado ao Ministério da Jutiça, tomou duas providências: pediu o aproveitamento de mais aprovados no último certame, realizado em 2008, e autorização para realizar até o fim do ano um novo concurso, abrindo 1,5 mil oportunidades de trabalho.

Concurso de 2008 foi marcado por suspeita de fraude
Conheça as carreiras na Polícia Rodoviária Federal

Outros destaques de hoje no Congresso em Foco

A falta de policiais e outros servidores tem obrigado a PRF a fechar postos de fiscalização, diminuindo o policiamento da malha rodoviária brasileira. Os problemas são reconhecidos pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que defendeu a realização do novo concurso.

A solicitação do novo processo de seleção foi validada pela presidenta Dilma Rousseff em dezembro, mas o órgão ainda aguarda a liberação do Ministério do Planejamento. Enquanto isso não acontece, a prioridade é a nomeação do excedente de aprovados na seleção em andamento, cujo candidatos regulares foram convocados para o curso de formação no início do mês . Caso a permissão de aproveitamento seja validada, outros 375 policiais rodoviários também passarão por treinamento e estarão prontos para atuar em janeiro.

Apesar dos problemas, a diretora-geral da PRF, inspetora Maria Alice Nascimento Souza, comemora a autorização para a abertura de vagas. “Conseguimos dar continuidade ao concurso e garantir a chegada dos novos policiais. Isso consolida o início da recomposição do nosso efetivo,” comemora.

Quadros insuficientes

Entre as razões apontadas pela PRF para o aumento no quadro de pessoal - que inclui a criação do cargo de agente administrativo (nível médio), com 320 novas vagas - está a necessidade de reforços para o Plano Estratégico de Fronteiras do Governo Federal.

De acordo com o Portal da Transparência do Ministério da Justiça, atualmente o quadro de efetivos da corporação conta com 9,1 mil servidores distribuídos em todo o território nacional. "O número de servidores ainda é insuficiente para patrulhar os 70 mil quilômetros de malha rodoviária do Brasil, tendo em vista os eventos esportivos internacionais que ocorrerão no país nos próximos anos", diz a assessoria da PRF. Segundo a Polícia Rodoviária, o efetivo autorizado é de 13 mil servidores. Assim, há hoje um déficit de quase quatro mil funcionários.

No fim do ano passado, durante o lançamento da Campanha Nacional do Desarmamento, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, declarou que os quadros de efetivos da Polícia Federal (PF) e da PRF seriam ampliados. “É claro que isso deve ser feito de acordo com a disponibilidade orçamentária. Temos discutido com o Ministério do Planejamento, para que, no momento oportuno, possamos fazer uma recomposição desses quadros, mas posso assegurar que será feito”, declarou o ministro. Dias depois do discurso, porém, foram autorizados 1,2 mil postos para a Polícia Federal e nada para a PRF.

Concurso de 2008 foi marcado por suspeita de fraude
Conheça as carreiras na Polícia Rodoviária Federal

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!