Em resposta a Bolsonaro, Congresso aprova homenagens a Paulo Freire

Deputados e senadores aprovaram nesta terça-feira (17) homenagens ao patrono da educação brasileira, Paulo Freire, em resposta a fala do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) que chamou o educador de "energúmeno".

> Weintraub vive nova crise e briga com bolsonaristas pelo Twitter

O comentário negativo foi feito na manhã de ontem, quando Bolsonaro defendia o fim da parceria do Ministério da Educação (MEC) com a TV Escola. "Tem muito formado aqui em cima dessa filosofia do Paulo Freire. Esse energúmeno aí, ídolo da esquerda", afirmou na ocasião.

Enquanto no Senado aprovou-se a realização de uma sessão solene em homenagem ao educador, que deve ocorrer no ano que vem, os deputados aprovaram uma moção de aplauso a Paulo Freire, apoiada por 19 líderes partidários.

Na justificativa da homenagem, os deputados do Psol, responsáveis pelo pedido, defenderam que o educador é "o brasileiro mais homenageado da história" e que "sua prática educadora fundada na troca, no diálogo, acolhedora de todas as singularidades, é um antídoto contra paixões totalitárias".

Já no Senado, após aprovar a realização da sessão, os senadores defenderam o educador e pediram para o presidente Bolsonaro ler as obras produzidas por Paulo Freire. "Eu queria sugerir ao presidente da República que procedesse a leitura de algumas obras de Paulo Freire, como Educação como Prática e Liberdade, Pedagogia do Oprimido, Pedagogia da Autonomia, Pedagogia da Indignação", disse Fabiano Contarato (Rede-ES).

 O senador defendeu que a culpa da educação brasileira estar um "caos" não é de Paulo Freire, mas do presidente. "Energúmeno é um presidente misógino, preconceituoso, sexista, homofóbico, racista", completou.

Responsável nominal pelo requerimento da sessão, o senador Weverton (PDT-MA) afirmou que "homenagear Paulo Freire é reconhecer a própria história do Brasil". "Não é os muros das universidades que, apenas para dentro, precisam se indignar com essa tamanha agressão ao mestre da educação, mas, sim, qualquer homem e mulher que sabe que, um dia, nós podemos ser melhores se praticarmos o bem", afirmou.

> Weintraub grita, chora e diz que está no MEC para defender a classe média

> Bolsonaro nega reforma ministerial e elogia Weintraub

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!