“Tendência é a gente afundar”, diz Bolsonaro à Fiesp em meio a ataques a Maia

Em videoconferência com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) na manhã desta quinta-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro ouviu dos empresários pedidos de reabertura do comércio. “Se dependesse de mim, quase nada teria sido fechado, a exemplo da Suécia”, disse ele. Bolsonaro voltou a atacar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a quem acusou de trabalhar contra o seu governo.

Maia e Alcolumbre não desistem de plano para reeleição no Congresso

“Ele [Maia] já sinaliza que não quer resolver nada. Parece que quer afundar a economia para ferrar o governo para talvez tirar um proveito político lá na frente”, disse. “A tendência é a gente afundar mesmo”, acrescentou. Entre os participantes da reunião estavam o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, aliado de Bolsonaro, e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

O presidente reclamou da decisão de Maia de dar ao deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) a relatoria da MP 936/2020, que permite a redução de salário e jornada e suspensão do contrato de trabalho. “Parece que fez acordo com a esquerda. Não dá pra fazer acordo com a esquerda. Nós sabemos qual é a linha da esquerda, uma linha sindical. É uma linha realmente que não está voltada para o desenvolvimento."

Bolsonaro se colocou à disposição dos empresários. “Eu sou empregado de vocês. É só marcar que eu vou a São Paulo. Levem os presidentes dos três Poderes, os convidem também, e vamos discutir o assunto para que cada um seja responsabilizado por aquilo que tem de fazer. Não podemos pensar em 2022. Se pensarmos em 2022, o Brasil vai para o buraco.”

Retorno das atividades

Após cobranças de empresários, ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, disse que a normatização para o retorno da economia está em estudo com os conselhos de saúde dos estados e municípios, mas admitiu divergências. A covid-19 já infectou 188.974 pessoas no Brasil e provocou 13.149 mortes.

“Exatamente o problema que nós estamos tendo para soltar a medida é uma divergência nossa com o Conselho Nacional dos Secretários Estaduais e com o Conselho Nacional dos Secretários Municipais de Saúde, que nós estamos tentando resolver ainda hoje para ver se soltamos essas orientações”, disse o ministro.

Moro x Bolsonaro: as contradições que a gravação poderá esclarecer

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!