Previdência: líder do governo exalta decisão do Senado que irritou Guedes

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), destacou a derrota sofrida pela equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro durante a votação em primeiro turno da reforma da Previdência. O emedebista disse na noite dessa quarta-feira (2) que a concessão do abono salarial para trabalhadores que ganham até dois salários mínimos é a marca do Senado na reforma da Previdência.

> Senado rejeita mudanças no abono salarial. Veja os votos

“Assim como a Câmara suprimiu todas as questões relativas ao trabalhador rural e aos benefícios da prestação continuada, havia o sentimento no Senado de deixar uma marca na reforma da Previdência”, disse Bezerra.

O destaque apresentado pelo PDT foi rejeitado na Comissão de Constituição e Justiça, mas aprovado pelos senadores no plenário, ampliando a concessão do abono salarial para beneficiar também quem ganha dois mínimos.

Pelo texto enviado pela Câmara, teriam direito ao abono os trabalhadores com renda mensal de até R$ 1.364,00.

De acordo com cálculos da equipe econômica, a perda para a reforma da Previdência com a mudança aprovada pelos senadores é de R$ 76,4 bilhões nos próximos dez anos.

Apesar de ter destacado a vontade da Casa Legislativa, Bezerra disse que esperava que essa emenda não fosse aprovada pelo Senado.

“É evidente que, em todo processo legislativo, você enfrenta desafios. Nós já sabíamos que o destaque relativo ao abono era uma matéria sensível aos senadores. Esse destaque foi superado na CCJ por apenas um voto, e a gente sabia que ia enfrentar dificuldades. Mas estávamos com quórum elevado e tínhamos a expectativa de manter o texto original do senador Tasso Jereissati”, explicou o líder Fernando Bezerra.

Dois senadores de seu partido votaram a favor da Previdência e também a favor desse trecho que desidratou a economia da reforma. São eles Dario Berger (MDB-SC) e Eduardo Braga (MDB-AM), líder do partido na Casa.

“O que se verificou foi a manifestação da vontade do Senado. Assim como a Câmara suprimiu todas as questões relativas ao trabalhador rural e aos benefícios da prestação continuada, havia o sentimento no Senado de deixar uma marca na Reforma da Previdência, e ficou claro que seria e foi o abono salarial”, acrescentou Bezerra.

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!