Paulo Guedes tenta superar mal-estar com deputados e dar novo fôlego à reforma da Previdência

O ministro da Economia, Paulo Guedes, deve comparecer na próxima quarta-feira (3) à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, uma semana após irritar a oposição e faltar à audiência marcada pelo colegiado. Em tese, deve encontrar um clima menos belicoso. Sua missão, no entanto, continua espinhosa. Guedes alegou que considerava mais produtivo aguardar pela definição do relator da reforma da Previdência, função que foi distribuída ao deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG) apenas na quinta-feira.

Em uma reunião tumultuada na terça, os deputados se recusaram a ouvir o secretário da Previdência, Rogério Marinho, escalado por Guedes para substituí-lo. Em seguida, lideranças governistas fizeram um acordo com a oposição para evitar que o ministro fosse convocado. Se tivesse ido semana passada, Paulo Guedes enfrentaria, provavelmente, um cenário mais hostil devido ao acirramento, na véspera, da crise política entre os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e da República, Jair Bolsonaro. Mas um dos principais obstáculos - a indefinição na distribuição de cargos - persiste.

Bolsonaro e Maia voltaram a se estranhar na quarta, quando o deputado pediu ao presidente que parasse de “brincar” de governar. Na mesma entrevista, porém, Maia disse que não discutiria mais com Bolsonaro. “Foi uma chuva de verão, mas agora o céu está lindo”, minimizou o presidente. De lá para cá, os dois entraram em uma aparente trégua. Bolsonaro está em viagem oficial a Israel. A oposição, porém, promete não dar sossego ao ministro.

Paulo Guedes tem evitado se manifestar publicamente sobre política. Para o público externo, tem passado o discurso de confiança na aprovação da reforma, uma estratégia também para acalmar o mercado, que reagiu negativamente aos acontecimentos da última semana. Em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, na quarta-feira, ameaçou deixar o governo caso a proposta defendida por ele seja desfigurada pelo Congresso.

O mesmo otimismo, porém, não é demonstrado por ele em conversas com interlocutores mais próximos. O tom é de descontentamento com o rumo tomado pelas discussões e pela falta de articulação do governo. Cenário agravado pelas declarações de Rodrigo Maia, seu maior aliado, de que está se afastando do papel de articulador político da proposta. A responsabilidade de buscar votos a partir de agora, avisou ele, é do governo, que não conseguiu, passados quase 90 dias desde seu início, sequer montar uma base parlamentar.

Na quinta-feira a CCJ ouvirá uma comissão de juristas sobre a reforma da Previdência. O relator, Marcelo Freitas, pretende apresentar seu relatório no próximo dia 9. A previsão é de que em 17 de abril os deputados estejam prontos para votar a admissibilidade da proposta.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!