”Tem que partir do Paulo Guedes”, diz senador sobre reforma tributária

Na véspera da apresentação do parecer sobre a reforma tributária, parlamentares ligados à discussão da proposta, e que inclusive integram a Comissão Mista que debate o tema, ainda não sabem qual será o teor do relatório do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Membros do colegiado relataram hoje ao Congresso em Foco que só devem ter conhecimento da proposta amanhã, às 15h, na sessão destinada à apresentação do texto.

Ainda que o governo e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), trabalhem para fazer a proposta avançar de vez, o clima entre os parlamentares é de descrédito. Integrante da Comissão Mista da Reforma Tributária, o senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), critica que, após quase dois anos e meio de governo, não há clareza sobre o que o ministro da Economia, Paulo Guedes, pensa sobre a reforma.

“Isso tem que necessariamente partir do seu Paulo Guedes, ele é o grande responsável”, afirma o parlamentar, para quem o Ministério da Economia deveria liderar os estudos e propor uma reforma clara, ampla e com “começo, meio e fim”.

Na visão do senador, Guedes tinha de apresentar algo didático, que fosse de fácil compreensão de empresários, da população e de governadores, baseada na simplificação de pagamento de tributos e na manutenção da carga tributária atual, sem aumentos. "E ele nunca mandou", concluiu o senador.

Assim como outros parlamentares afirmaram ao Congresso em Foco nos últimos dias, Oriovisto não vê com bons olhos a estratégia de fatiar a reforma. “O manicômio [tributário] continua e toda vez que mexeram a carga tributária aumentou”, diz.

O senador, que é economista, acredita cada vez menos na aprovação da reforma tributária e acrescenta que, se não aprovar neste ano, a medida já não conseguirá passar pelo Congresso neste governo. “Tem que ser um presidente que tenha liderança nacional para convencer governadores, para convencer empresários, tem que ser alguém confiável”, resume.


> Reforma tributária: após apresentação de parecer, tramitação deve ser fatiada
> A ruralistas, Bolsonaro diz que não expropriará terras com trabalho escravo

Continuar lendo