Otimismo do comércio tem maior queda dos últimos nove anos, diz CNC

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), caiu para 66,7 pontos em junho deste ano. O número é o menor desde o início da realização da pesquisa, em março de 2011.

O cenário é diferente do que aponta levantamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O Índice de Confiança do Comércio (Icom) da FGV cresceu 17 pontos em junho, passando de 67,4 para 84,4 pontos. O resultado, no entanto, reflete apenas uma melhora em relação a abril, considerado o pior mês da crise, segundo a FGV.

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

Os percentuais de queda do indicador da CNC também foram os maiores observados na série histórica: -28,6% em relação a maio e -43,7% no comparativo com junho de 2019.

A queda na confiança dos empresários é influenciada pelos impactos econômicos da pandemia do coronavírus. A queda acumulada dos dois últimos meses é de 54 pontos, levando ao recorde o pessimismo entre os tomadores de decisão do varejo.

O índice que avalia as intenções de investimento também acentuou a queda: -18,6% (mensal) e -30% (anual). Com 71,5 pontos, o item chegou ao menor patamar desde junho de 2017, reforçando que os empresários devem reduzir os investimentos nos negócios, em razão da crise.

Nesse cenário, a intenção de contratação de funcionários alcançou o menor índice da série histórica: 67,5 pontos, com recuos nas bases comparativas mensal (-24,5%) e anual (-44,6%).

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!