Oposição quer convocar Paulo Guedes após ministro cancelar ida à CCJ da Câmara

O ministro da Economia, Paulo Guedes, desistiu de comparecer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, nesta terça-feira (26), onde falaria sobre a reforma da Previdência. Guedes já havia confirmado presença, mas mudou de ideia por temer ficar exposto aos questionamentos dos deputados oposicionistas. Oficialmente, o ministério informou que a mudança nos planos se deve à indefinição sobre o relator da proposta (veja nota mais abaixo) e que técnicos da equipe econômica devem substituí-lo. "A ida do ministro da Economia à CCJ será mais produtiva a partir da definição do relator", informou a assessoria da pasta.

A desistência de Paulo Guedes deve aumentar a tensão no Congresso. Deputados oposicionistas pretendem apresentar na reunião desta tarde um pedido de convocação do ministro. Caso isso ocorra, seu comparecimento à CCJ será obrigatório. Como havia sido convidado, ele tinha a opção de não comparecer. O líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), está coletando 22 assinaturas para incluir o novo requerimento na pauta da comissão.

"A desistência de Paulo Guedes é muito ruim. Ela deixa clara a insegurança do ministro em relação à proposta do seu governo. Tudo leva a crer que o ministro não está seguro dos números e das projeções que fundamentam a sua reforma da Previdência. A decisão de não vir também impede a Câmara de debater profundamente a proposta e de mostrar alternativas ao governo. Portanto, fugir ao debate nunca é uma boa solução", afirmou.

Guedes está reunido desde as 9h da manhã com os governadores no Palácio do Buriti, sede do governo do Distrito Federal. Eles querem propostas de socorro financeiro por parte do governo federal. O principal tema do encontro é a revisão do pacto federativo. Mas a reforma da Previdência também está em discussão.

Em entrevista ao Congresso em Foco publicada ontem, Molon havia dito que a oposição pretendia bombardear o ministro com perguntas sobre os números que embasaram a proposta de reforma. "Esperamos que ele traga os números que usou para justificar a reforma. Até hoje o ministro não tornou esses números públicos”, reclamou o deputado. O presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), disse ao site que só escolherá o relator da proposta quando o clima político melhorar.

Veja a íntegra da nota do Ministério da Economia:

"O Ministério da Economia informa que a equipe técnica e jurídica da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho estará à disposição para representar o ministro Paulo Guedes na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados para esclarecer pontos da PEC 06/2019, nesta terça-feira, 26 de março. A ida do ministro da Economia à CCJ será mais produtiva a partir da definição do relator."

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!