“Não é uma briga, é um acerto de funcionamento”, diz Guedes sobre divergências

“A economia brasileira está forte, está voltando. Enquanto isso nós estamos falando de crise, de briga, de confusão, com a economia voltando”, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, em coletiva à imprensa na noite desta sexta-feira (2), após desentendimento com o ministro do Desenvolvimento Regional e ex-subordinado, Rogério Marinho. “Não é uma briga, é um acerto de funcionamento”, disse ele sobre as divergências entre o eixo político e o eixo econômico do governo.

Segundo a agência Reuters, em evento promovido por uma corretora nesta sexta, Marinho teria criticado Guedes. Marinho teria dito que Guedes é fraco em assuntos de microeconomia e ruim de narrativa. A fala seria uma referência ao anúncio, feito no início da semana, do novo programa social almejado pelo governo, o Renda CidadãO financiamento do programa, que envolveria uso de precatórios e recursos do Fundeb, foi mal recebido pelo mercado e criticado pelo próprio ministro da Economia. As divergências levaram ao adiamento da apresentação da proposta ao Senado.

Guedes rebate Marinho: “se falou mal de mim, é despreparado, desleal e fura teto”

Ao citar projetos patrocinados pelo governo no Congresso, Guedes mencionou a reforma administrativa, a autonomia do Banco Central e o incentivo à cabotagem (apelidado de “BR do Mar”). Guedes disse, ainda, que estão terminando a segunda parte da reforma tributária e podem encaminhá-la ao Congresso “a qualquer momento”. A equipe econômica entregou apenas um projeto de unificação de impostos federais e prometeu enviar outras etapas da reforma tributária em agosto, mas até o momento não formalizou novas propostas.

“Em vez de ficar parados, nós estamos acelerando as reformas”, disse. Ele citou como empecilho para o avanço das reformas no Congresso a temporada política, em razão da proximidade das eleições municipais, e voltou a dizer que “quem dá o timing é a política”.

“Temos um problema de emprego e renda. O problema da renda é como nós vamos aterrissar do auxílio emergencial”, citou. O benefício será pago até dezembro de 2020. O governo alega que a pandemia revelou 40 milhões de brasileiros invisíveis e desassistidos pelo Estado.

Teto de gastos

Guedes voltou a reafirmar a necessidade de respeitar o teto de gastos, ponto que tem criado divergências nos bastidores do governo. “É uma irresponsabilidade você falar: eu vou furar o teto, vou furar o teto. Uma coisa é você furar o teto porque você está salvando vidas em um ano de pandemia", disse Guedes, defendendo a mudança constitucional que institui o orçamento de guerra, para segregar o orçamento da União dos gastos destinados ao combate da covid-19.

“Agora você furar o teto pra fazer política, para ganhar eleição, isso é irresponsável com as futuras gerações, isso é mergulhar o Brasil num passado triste de inflação alta”, criticou.

Círculo próximo de Maia vai do DEM ao PCdoB

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!