Ministério da Economia prevê déficit fiscal de R$ 861 bilhões

A equipe econômica elevou a estimativa de déficit primário para o governo central (composto pelo Tesouro, Banco Central e Previdência) para R$ 861 bilhões em 2020, conforme relatório de receitas e despesas do 4º bimestre divulgado nesta terça-feira (21).

No relatório anterior, a expectativa era de déficit de R$ 787,45 bilhões. Este ano, o estado de calamidade pública isenta o governo do cumprimento da meta de déficit primário, fixada em R$ 124,1 bilhões. Além disso, também não há necessidade de observância da regra de ouro neste exercício fiscal.

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

A elevação é impactada principalmente pelas parcelas adicionais do auxílio emergencial, que serão pagas até dezembro deste ano no valor de R$ 300 mensais. O custo estimado da medida é de R$ 67,6 bilhões.

Também contribuiu para o aumento na previsão o custo adicional do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), que concede uma linha de crédito para pequenas e microempresas enfrentarem os efeitos da pandemia de coronavírus. Recentemente, o programa foi prorrogado, recebendo mais R$ 12 bilhões da União.

Sem coletiva

A pasta divulgou os dados através de uma nota, dispensando a coletiva de imprensa que costuma ser conduzida pelo secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues. O auxiliar do ministro Paulo Guedes está sob pressão desde que Jair Bolsonaro proibiu discussões sobre o Renda Brasil e condenou ideia ventilada pelo secretário.

Em entrevista ao G1 na semana passada, Waldery vocalizou a intenção da equipe econômica de congelar aposentadorias e pensões por dois anos, desvinculando os seus reajustes do salário mínimo.

Bolsonaro veta divulgação antecipada de detalhes de novo programa social

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!