Maia critica Guedes e diz que vai priorizar pauta anticrise nos próximos 45 dias

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou a falta de respostas imediatas do governo e a possível tentativa do ministro Paulo Guedes de transferir para o Congresso a responsabilidade pelo enfrentamento da crise econômica intensificada pelo avanço do coronavírus. Em entrevista à Folha de S.Paulo, Maia disse que os parlamentares se frustraram com o ministro pela falta de propostas de curto prazo durante sua apresentação em reunião de emergência realizada na Câmara na noite de quarta-feira (11).

> Coronavírus coloca presidente, ministros e parlamentares em isolamento

“Guedes não tinha uma coisa organizada ou não quis falar. Se olhar os projetos, tem pouca coisa que impacte a agenda de curto prazo ou quase nada”, criticou. O presidente afirmou que a agenda do Congresso nos próximos 45 dias será focada no combate aos efeitos econômicos do coronavírus.

Na avaliação dele, nem as reformas nem a lista de projetos considerados prioritários enviada por Guedes na terça oferecem soluções de curto prazo requeridas pelo momento. “A reforma administrativa estar atrasada incomodava até 15 dias atrás”, afirmou.

> Por medo do coronavírus, movimentos esvaziam atos do dia 15

Para Rodrigo Maia, Guedes terá agido de forma “medíocre” se tiver pensado em transferir a responsabilidade para os parlamentares sobre a solução da crise ao ter cobrado a votação da agenda econômica. “Não posso acreditar que um homem de 70 anos, com a experiência dele, tenha mandado isso com essa intenção. A crise é tão grande que a gente não tem direito de imaginar que o ministro da Economia de uma das maiores economias do mundo possa ter pensado de forma tão medíocre.”

Segundo, incomoda e angustia o Congresso saber que o governo não tem plano de contingência para superar essa crise e os impactos dela na vida das pessoas na economia. “Queremos que o governo construa as soluções que vão minimizar os efeitos na saúde pública e na crise na vida das pessoas na área econômica área social. O governo precisa liderar isso”, cobrou.

Ontem à noite, o Ministério da Economia anunciou medidas para combater o impacto que o coronavírus tem trazido para a economia brasileira. Uma das medidas será a antecipação do pagamento de R$ 23 bilhões referentes a parcela de 50% do 13º salário aos aposentados e pensionistas do INSS.

> Para combater queda econômica, 13º de aposentados será antecipado pra abril

Veja os principais pontos da entrevista concedida por Maia aos jornalistas Leandro Colon e Julia Chaib, da Folha:

Frustração com Guedes
“O que preocupou os parlamentares é que certamente teremos impacto de curto prazo e que essas reformas de médio e longo prazo não vão resolver. Temos uma crise de pandemia de um vírus que começa a crescer no Brasil. [...] O que incomodou os parlamentares é que não sentimos e não vimos, se ele [Guedes] não podia falar ou se ainda não organizou, as soluções para os problemas de curto prazo, como nos setores da aviação civil e de serviços.”

Saúde e economia
“São dois eixos: como impacta a saúde dos brasileiros e como impacta a vida econômica e social. São duas urgências. Essa primeira está bem organizada. Por outro lado, como o governo vai reagir em relação à queda da atividade e a algum risco de perda de emprego? Essa parte incomodou os deputados e senadores. A falta dessa parte. Essas variáveis de curto prazo é que eu acredito que os deputados e senadores sentiram falta na apresentação do Guedes.”

Mediocridade
“Não posso imaginar que, numa crise desse tamanho, o ministro tenha encaminhado uma lista de 19 projetos para transferir a responsabilidade para nós. Não posso acreditar que um homem de 70 anos, com a experiência dele, tenha mandado esses projetos com essa intenção. Não acredito nisso. A crise é tão grande que a gente não tem direito nem de imaginar que o ministro da Economia de uma das maiores economias do mundo, o com mais poder desde a redemocratização, possa ter pensado de forma tão medíocre. Eu tenho certeza de que não. [...] Queremos que o governo construa as soluções que vão minimizar os efeitos na saúde pública e na crise na vida das pessoas na área econômica área social. O governo precisa liderar isso.”

Desconforto
“Entre uma pressão do Guedes e o risco de perder a vida de brasileiros com o vírus, somado ao risco de ampliação de desemprego no Brasil, não vou estar preocupado se ele fez isso para pressionar. Essa não é a pressão que nos incomoda. A que nos incomoda é a gente ainda estar desconfortável em relação à resposta que o poder público, os três Poderes, precisa dar.”

Agenda contra coronavírus
“A reforma administrativa estar atrasada incomodava até 15 dias atrás. Hoje, o que me angustia e preocupa é, sob a liderança do Poder Executivo, mostrar à sociedade brasileira uma união para superar os próximos seis meses. O que incomoda e angustia é que a gente ainda não tem um plano de contingência para superar essa crise e os impactos na vida das pessoas na economia. A reforma administrativa não é parte dessa solução. Nos próximos 45 dias, nossa prioridade vai ser a agenda com o governo e o Supremo para superar essa crise. [...] Em relação ao curto prazo, ele [Guedes] não tinha uma coisa organizada ou não quis falar de anúncio a ser feito pelo presidente. Se você olhar os projetos, tem pouca coisa que impacta a agenda de curto prazo ou quase nada. Temos um problema de seis meses.”

Derrubada do veto ao BPC
“Trabalhei para manter o veto e disse aos parlamentares que havia sido um erro a votação. Todo o mundo sabia que a crise do vírus estava crescendo. Nós estaríamos apenas colocando lenha na fogueira e de alguma forma ajudando o governo a fazer um discurso de transferir responsabilidades para o Legislativo. O momento de gerar uma despesa de forma racional ou menos racional foi completamente equivocado. Geramos uma despesa de R$ 20 bilhões e sinalizamos que pode ter um risco de desorganização da pauta pelos próximos seis meses. Aí eu falo, como se faz para votar a PEC do Fundeb na próxima semana? Além do erro de ter votado um projeto que a gente sabe que não tinha previsão orçamentária.”

Retaliação
“O resultado acho que não foi uma retaliação ao protesto porque ninguém é contra o protesto. Foi uma retaliação a esse ambiente que dá a impressão de que alguma forma o governo estava patrocinando uma manifestação contra o Poder Legislativo. Pode ter sido isso, talvez.”

Recurso do governo
“Eu não posso tomar uma decisão que vá contra a decisão de 300 deputados. Mas eu acredito que o Poder Executivo está certo e tem as condições de questionar uma decisão que vai de fato desorganizar o Orçamento público brasileiro.”

> Após bater R$ 5, dólar desacelera e fecha em novo recorde, a R$ 4,786

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!