Guedes sobre permanência no governo: “Eu só saio abatido à bala”

“Eu só saio abatido à bala, removido à força. Eu tenho uma missão a cumprir”, disse  ministro da Economia, Paulo Guedes, ao ser questionado em evento da XP Investimentos sobre sua permanência no governo do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo ele, há uma agenda de reformas com a qual o presidente se comprometeu na eleição de 2018. “Enquanto houver essa agenda a ser perseguida, eu estou aqui”. Ele comentou, porém, que se o presidente desistir dessa agenda ou se o Congresso interditá-la, ele não tem o que fazer. “Aí eu tenho que ir embora para casa.”

MP de Contas quer afastamento de Fábio Wajngarten da Secom

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

O ministro voltou a repetir que pretende promover três ou quatro grandes privatizações nos próximos três meses, sem especificar quais. Guedes ponderou que o processo não depende só dele. “Processo político trava e dizem que o ministro prometeu e não fez”, disse.

Teto de gastos

“Fizeram o teto e não fizeram as paredes”, disse o ministro. Ele criticou a indexação das despesas, como as remunerações dos servidores e defendeu a desvinculação dos recursos e o controle de gastos. “Não queremos furar o teto. Preferimos quebrar o piso”, disse em metáfora. “Como vamos sair da crise cavando buraco fiscal?”, questionou.

Guedes diz que Maia interditou debate sobre nova CPMFpr

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!