Congresso vota crédito extra de R$ 20 bi para programas sociais e vetos

O feriado de Corpus Christi, na próxima quinta-feira (3), deve esvaziar as sessões da Câmara e do Senado nesta semana. Não há sessão convocada em nenhuma das Casas até o fechamento desta agenda. Os esforços devem ser dirigidos à pauta do Congresso, que inclui 18 vetos presidenciais e três projetos de lei. A votação está prevista para esta terça-feira (1º).

Uma das propostas a serem votadas abre crédito extraordinário no valor de R$ 20 bilhões do orçamento federal de 2021 para o pagamento de benefícios sociais. Esse valor estava previsto na lei orçamentária anual, mas foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Assinantes do nosso Congresso em Foco Insider receberam mais cedo as informações desta matéria. Cadastre-se agora e faça uma degustação gratuita por 30 dias dos nossos serviços.

O governo alega, agora, que a abertura do crédito não vai afetar a meta fiscal, já que os valores serão compensados por vetos a outras destinações orçamentárias. Mas os líderes ainda precisam chegar a um acordo para votar a proposição.

Destino do dinheiro

De acordo com o projeto, o dinheiro será distribuído da seguinte maneira: seguro-desemprego (R$ 2,6 bilhões); benefícios previdenciários (R$ 6,6 bilhões); compensação ao Fundo do Regime Geral de Previdência Social (R$ 4,7 bilhões); benefícios de Prestação Continuada (BPC) e da Renda Mensal Vitalícia (R$ 968 milhões); remuneração a agentes financeiros (R$ 423 milhões) e subvenção e subsídios a agricultura sustentável, ao Programa de Financiamento às Exportações (Proex) e a outros setores (R$ 4,3 bilhões).

Outro projeto de lei prevê abertura de crédito especial de R$ 584,2 milhões para os ministérios do Desenvolvimento Regional; Defesa, e Mulher, Família e Direitos Humanos. Já o terceiro PLN destina R$ 1,09 bilhão para seis ministérios: Ciência, Tecnologia e Inovações; Economia; Meio Ambiente; Defesa; Desenvolvimento Regional; e Mulher, Família e Direitos Humanos.

Fust

Na lista dos vetos, um dos principais é o que impediu o acesso à internet, com fins educacionais, a alunos e professores da educação básica pública. O texto, integralmente vetado por Bolsonaro, previa a destinação de R$ 3,5 bilhões do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) para ampliação do acesso à internet banda larga.

Também estão na pauta três vetos referentes a trechos da lei que permitiu a compra de vacinas contra a covid-19 por parte de estados e municípios com registro ou autorização temporária de uso dado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Entre os itens rejeitados pelo presidente está a previsão de que a União reembolsaria os entes da Federação pela compra caso o Plano Nacional de Imunização (PNI) não seja cumprido. O Congresso também deve analisar veto que impediu a prorrogação da Lei Aldir Blanc, de apoio à cultura, até 31 de dezembro de 2021.

Com informações das agências Câmara e Senado

Bolsonaro veta banda larga em todas as escolas públicas até 2024

Continuar lendo