Bolsonaro cancela encontro com líder chinês após 20 minutos de atraso

Um dos encontros mais aguardados pela diplomacia brasileira na reunião do G-20, no Japão, foi cancelado neste sábado (29) por determinação do presidente Jair Bolsonaro. Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, Bolsonaro ficou impaciente com o atraso de 20 minutos da comitiva chinesa e abandonou a sala onde se encontraria com o líder da China, Xi Jinping. O país é o principal destino dos produtos brasileiros em todo o planeta.

A reunião estava marcada para as 14h30. Bolsonaro resolveu ir embora às 14h50, pegando de surpresa inclusive seus assessores. Na viagem ao Japão, o presidente se reuniu com algumas das principais lideranças mundiais, como o primeiro-ministro francês, Emmanuel Macron, a premiê alemã, Angela Merkel, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Também avalizou o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia.

O porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, informou que houve uma incompatibilidade de agendas em “função de atraso das bilaterais”. “Nós esperamos até o presente momento e como nós temos um horário para decolagem e ainda temos que retornar ao hotel para fazer o fechamento, etcetera, etcetera, o presidente decidiu abdicar dessa bilateral e posteriormente efetivar os contatos necessários para o prosseguimento das conversações entre os dois países”, afirmou o porta-voz em ligação telefônica por viva-voz aos jornalistas presentes.

Bolsonaro nunca demonstrou simpatia pela China, país ainda oficialmente comunista. Para o presidente e seus aliados ideológicos, o Brasil deve voltar a ter os Estados Unidos como seu principal parceiro comercial e diminuir sua dependência dos chineses. Em março, durante visita oficial à Casa Branca, Bolsonaro manifestou alinhamento incondicional com os norte-americanos na guerra comercial com a China.

“O presidente decidiu, já estava bastante atrasado, nós estávamos esperando na sala da bilateral e, como eu disse, a logística foi determinante nesse processo”, afirmou o porta-voz. A reunião com Xi Jinping seria o último compromisso oficial de Bolsonaro, que tinha a decolagem para o Brasil prevista para as 18h, de acordo com o Estadão. O presidente brasileiro já sinalizou que pretende viajar para a China em outubro. No Japão ele esteve com o líder chinês, mas em encontro com outras lideranças, e não em uma conversa reservada, como seria dessa vez.

> Trump, Bolsonaro e a autocrítica que a esquerda precisa fazer

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!