Rodrigo Maia critica parte do pacote anticrime de Moro ao comentar morte de Ágatha

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) criticou, neste domingo (22), parte do pacote anticrime enviado pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, ao Congresso. A declaração foi feitas nas redes sociais, quando Maia postou uma mensagem de apoio à família da menina Ágatha Félix, de 8 anos de idade, que morreu na madrugada de sábado (21), depois de ser atingida por uma bala nas costas na sexta (20).

 

Moradores do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, onde o caso ocorreu, afirmam que a  menina foi atingida por uma bala disparada por policiais militares, que abriram fogo contra uma motocicleta. A Polícia Militar do Rio de Janeiro alega que os policiais reagiram a um agressão.

O excludente de ilicitude mencionado por Rodrigo Maia é o item do projeto de Sergio Moro que abre brecha para os agentes de segurança não sejam punidos por excessos durante a atuação. Pelo texto,  o juiz poderá reduzir a pena pela metade ou não aplicá-la se o agente de segurança argumentar que este excesso decorreu “de escusável medo, surpresa ou violenta emoção".

A proposta ainda amplia as situações que podem ser consideradas como legítima defesa. Os policiais podem ser perdoados da pena ou tê-la reduzida se "o agente policial ou de segurança pública que, em conflito armado ou em risco iminente de conflito armado, previne injusta e iminente agressão a direito seu ou de outrem" e também se "o agente policial ou de segurança pública que previne agressão ou risco de agressão a vítima mantida refém durante a prática de crimes".

Na Câmara, o pacote foi dividido em três e deve voltar à pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na próxima semana. O colegiado quer dar início à tramitação do projeto que trata da Justiça Eleitoral e ainda discutir alternativas legais para recuperar alguns dos pontos que foram retirados do texto que altera o Código Penal. A prisão em segunda instância é um desses pontos.

>Associação de juízes federais repudia mudanças na legítima defesa do pacote de Moro

>Senado deve desidratar pacote anticrime de Moro, diz relator

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!