Repórter da Folha aciona Bolsonaro na Justiça por danos morais

A repórter Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S. Paulo entrou na Justiça com um pedido de indenização por danos morais contra o presidente da república Jair Bolsonaro (sem partido) por  ofensas de cunho sexual feitas pelo presidente contra ela. O ex-funcionário da empresa Yacows - acusada de disparar mensagens em massa durante as eleições de 2018 - Hans River, e o apresentador do canal bolsonarista Terça Livre, Allan dos Santos, também foram processados por ataques de conotação sexual. Os processos tramitam na Justiça Estadual de São Paulo.

Bolsonaro ataca jornalista da Folha com comentários sexuais

Na ação contra Bolsonaro e Hans é requerida uma indenização de  R$50 mil, já contra Allan dos Santos o ressarcimento pedido é de R$100 mil.  De acordo com informações da Folha, caso receba as indenizações, a repórter vai doar metade do valor ao Instituto Patrícia Galvão de Comunicação e Mídia, que opera na defesa dos direitos das mulheres.

Ofensas 

As acusações contra Bolsonaro dizem respeito ao caso ocorrido no mês passado quando o presidente fez um trocadilho de cunho sexual afirmando que Patrícia Campos "queria dar o furo a qualquer preço". As declarações ofensivas foram feitas na porta do Palácio da Alvorada e se estenderam para as redes sociais pessoais do presidente.

A defesa da repórter disse que as falas de Bolsonaro são desrespeitosas e machistas. “No rastro dessa difusão de ofensas e mentiras, o presidente da República, em mais um ato em que desconsidera completamente a liturgia do cargo que ocupa, assumiu para si o discurso ofensivo, desrespeitoso e machista contra Patrícia na sua matinal entrevista em frente ao Palácio da Alvorada”afirmou para o jornal Folha de S. Paulo.

Professor deixa formatura escoltado após discurso sobre ataques à imprensa

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!