PM espanca mulher negra no AP e governador reconhece racismo

Por Amauri Gonzo, da Ponte

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra uma mulher negra sendo espancada por policiais militares em Macapá. As agressões teriam começado após a mulher tentar filmar uma outra abordagem, a dois rapazes.

Depois que o vídeo ganhou repercussão nas redes sociais, o governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), se posicionou sobre a ocorrência e reconheceu que a cena de agressões praticadas pela PM “fica ainda pior pois é recheada de racismo”.

De acordo com informações do portal G1, a vítima das agressões é uma pedagoga de 39 anos, e o caso aconteceu na noite da última sexta-feira (18), na região chamada de Loteamento São José, que fica na zona norte de Mapacá.

As imagens mostram três policiais militares abordando, inicialmente, dois homens. Um deles, que é negro, está de pé com um policial o tocando, enquanto o outro está sentando com as mãos à cabeça.

A mulher aparece nas imagens após um PM pedir para ele se afastar de onde os dois homens estavam sendo abordados. Em seguida, um outro policial militar vai em direção a ela, segura pelos braços, tenta dar uma rasteira e inicia as agressões. Ela foi enforcada, caiu ao chão e ainda levou um soco no rosto. Em seguida, ela foi algemada e colocada na viatura.

De dentro de uma casa, possivelmente um familiar da mulher agredida filma a ação e começa a gritar na tentativa de intervir na violência. Uma criança também é ouvida aos fundos, chamando pela tia, que era agredida.

A nota publicada pelo governador nas redes sociais afirma que as imagens do PM “agredindo covardemente uma cidadã envergonham as forças de segurança e o Estado do Amapá”. Góes considerou o caso como “um fato isolado e não reflete a atuação de milhares de pais e mães de família que diariamente vestem uma farda e se dedicam a proteger e servir nossa população”.

Os policiais envolvidos no caso foram afastados e, segundo o governador, foi determinado ao Comando Geral da PM “uma apuração criteriosa e rápida dos fatos mostrados no vídeo”. Góes disse que “cenas como essa não podem ser toleradas e não podem se repetir”.

Na redes sociais, ativistas de movimentos negros convocam um ato para a próxima terça-feira (22), em frente ao Batalhão da Polícia Militar no bairro de Beirol, em Macapá. Também é usado a hashtag dizendo que não foi um caso isolado, rebatendo o posicionamento do governador.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!