Pastor condena campanha contra aborto de menina que engravidou após estupro

O pastor Henrique Vieira, da Igreja Batista do Caminho, publicou um vídeo em suas redes sociais criticando a pressão das igrejas contra o aborto legal de uma menina de dez anos que engravidou após ser vítima de estupro. Vieira afirmou que esse movimento é fruto de um fundamentalismo que não tem compromisso com a vida.

> Psol vai ao MP contra Sara Winter por divulgar dados de menina estuprada

Segundo ele, existe um tipo de organização de muitas igrejas que corrobora com a violência contra as mulheres.

“O fanatismo religioso em nome da vida, produz a morte. Defende um dogma abstrato, mas fica indiferente ao sofrimento das pessoas, inclusive ao choro, ao grito, de uma menina de dez anos. Em nome de tal céu, como se produz inferno nesta vida”, disse.

O pastor, que já foi vereador em Niterói (RJ) pelo Psol, ainda convidou os espectadores do vídeo a acompanharem o trabalho de mulheres religiosas que defendem a descriminalização do aborto, especificamente a Frente Evangélica pela Legalização do Aborto e o grupo Católicas pelo Direito de Decidir.

Assista:

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Menina de 10 anos é estuprada pelo tio. Extremistas religiosos pressionam a família para que não haja interrupção da gravidez. Não há preocupação genuína com a vida, não há sensibilidade diante do sofrimento desta menina e até mesmo com o risco que ela sofre. Para além dessa situação o fato é que a política de criminalização do aborto não diminui o número de abortos, culpabiliza as mulheres e provoca muita morte, especialmente de mulheres pobres e negras no Brasil. Infelizmente existe uma cultura religiosa e de leitura bíblica que naturaliza e estimula a violência contra as mulheres. Jesus defendeu a vida olhando para a vida. É preciso ouvir o que muitas mulheres cristãs tem a dizer. Sigam a @evangelicaspelalegalizacao .

Uma publicação partilhada por Henrique Vieira (@pastorhenriquevieira) a

Continuar lendo