Mães de vítimas do Estado pedem para Maia barrar excludente de ilicitude

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), recebeu nesta semana uma comitiva da Rede Nacional de Mães e Familiares de Vítimas do Terrorismo do Estado para falar sobre o excludente de ilicitude, presente no Pacote Anticrime do ministro Sergio Moro.

> Com excludente de ilicitude só será preso quem matar rindo, diz Freixo

Apesar de ter sido rejeitado no grupo de trabalho criado para debater o projeto, o assunto voltou a ser discutido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e existe a promessa de entrar no Plenário da Câmara como destaque. As mães que se encontraram com Maia pediram para que ele barre esta proposta, por entenderem que se aprovada, a medida poderá ampliar o número de vítimas mortas em ações do Estado, além de garantir a impunidade aos policiais que matarem em serviço.

Josiane  Martins é uma das mães que se encontraram com o presidente da Câmara, segundo ela, Maia ouviu as demandas atentamente. "A reunião foi muito boa, o presidente Rodrigo Maia foi tocado pela nossa fala", disse a mãe.

O líder da oposição foi o parlamentar responsável por viabilizar o encontro, Alessandro Molon (PSB-RJ) afirmou ao Congresso em Foco que os depoimentos dos familiares chamaram atenção de Maia. "Eu tenho esperança de que essa reunião ajude a se evitar a aprovação do excludente de ilicitude e a se evitar de liberar o porte de armas no Brasil", disse Molon. "O presidente Rodrigo Maia não assumiu compromissos, mas ficou nítido que ele ficou tocado".

Segundo Molon, Rodrigo Maia vai passar a demanda das mães para todos os parlamentares e também irá pedir para que o deputado Alexandre Leite (DEM-SP), relator do projeto que trata do porte de armas, converse com Molon.

As mães que tiveram seus filhos assassinados pelas polícias do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Ceará estão preocupadas com o PL 7883, que amplia a excludente de ilicitude para policiais que matam mediante medo, surpresa e susto.

A visita faz parte também da campanha Pacote Anticrime: Uma Solução Fake, composta por mais de 90 instituições e movimentos sociais.

Participaram da comitiva de familiares:

Ana Paula Oliveira, mãe de Johnatha, morto aos 19 anos - Mães de Manguinhos
Bruna Silva, Mãe de Marcos Vinícius, morto as 13 anos - Mães da Maré
Edna Carla, mãe de Alef, morto aos 17 anos - Mães do Ceará
Francilene Gomes, irmã de Paulo, morto aos 23 anos - Movimento Mães de Maio
Joseane Martins, mãe de Daniel, morto aos 21 anos - Rede de Mães de Familiares da Baixada Fluminense
Luciano Norberto, irmão de Josenildo, morto aos 42 anos - Rede de Comunidades e Movimentos Contra a Violência
Rute Fiúza, mãe de Davi Fiúza, morto aos 16 anos - Mães da Bahia

> Olimpio pede para Carlos não “encher o saco” e Eduardo e Flávio deixarem o PSL

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!