Indigenista da Funai é morto por flechada ao monitorar índios isolados

Rieli Franciscato, de 56 anos, coordenador da Frente de Proteção Etnoambiental Uru Eu Wau Wau da Funai, foi morto nesta quarta-feira (9) com uma flechada no tórax. A flecha foi disparada por indígenas isolados no estado de Rondônia. O servidor foi socorrido, mas chegou sem vida ao hospital.

>Senadores cobram fim do voto secreto e se queixam de represálias de Davi

Rieli entrou com dois policiais em uma área de reserva com o objetivo de monitorar a migração de povos não contactados, após ser comunicado por moradores da região sobre a aproximação do povo conhecido como "isolados do Cautário", em Seringueiras (RO). A Funai descobriu este povo em 1990 e desde então monitora o grupo.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) lamentou a morte do servidor que dedicou mais de 30 anos da sua vida a proteção dos povos isolados. "Rieli dedicou a vida à causa indígena. Com mais de três décadas de serviços prestados na área, deixa um imenso legado para a política de proteção desses povos", afirma o coordenador-geral de Índios Isolados e de Recente Contato da Funai, Ricardo Lopes Dias.

> Campanha internacional quer tirar recursos de Bolsonaro por queimadas na Amazônia

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!