Doria repudia Eduardo Bolsonaro e “silêncio de quem o patrocina”

O governador de São Paulo, João Doria, se manifestou contra a fala do líder do PSL na Câmara dos Deputados, Eduardo Bolsonaro (SP), nesta quinta-feira (31). O terceiro filho do presidente Jair Bolsonaro disse  que se a "esquerda radicalizar" será posto em prática o regime de restrições democráticas vivenciado na Ditadura Militar conhecido como Ato Institucional número 5.

"Repudiamos a tentação autoritária e o silêncio de quem as patrocina. Conheci de perto o mal que ditadores e ditaduras fazem às pessoas, às famílias e ao país", escreve o governador paulista em nota.

João Agripino da Costa Doria Neto, pai do governador e de quem ele herdou o nome foi deputado federal e teve seu  mandato cassado em 1964 a partir da vigência do Ato Institucional número um da ditadura militar, que implantou o bipartidarismo.

Também já se manifestaram contra a fala de Eduardo os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os partidos PT, PSB, PDT, MDB, DEM, PSDB e a ala do PSL ligada ao presidente do partido, Luciano Bivar.

O  terceiro filho do presidente Jair Bolsonaro fez o comentário durante entrevista para a apresentadora Leda Nagle.

"Vai chegar um momento em que a situação vai ser igual a do final dos anos 60 no Brasil, quando sequestravam aeronaves, quando executavam-se e sequestravam-se grandes autoridades, cônsules, embaixadores, execução de policiais, de militares. Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente via precisar ter uma resposta. E a resposta, ela pode ser via um novo AI-5, via uma legislação aprovada através de um plebiscito, como aconteceu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada", defendeu.

Leia a íntegra da nota de Doria:

"O Brasil consolidou, ao longo de três décadas, a sua ordem democrática. As instituições funcionam e toda e qualquer ameaça à conquista do Estado Democrático de Direito deve ser repelida. A ruptura do modelo democrático é inaceitável. O país quer distância dos radicais que pregam medidas de exceção e atentam contra a Constituição.

Repudiamos a tentação autoritária e o silêncio de quem as patrocina. Conheci de perto o mal que ditadores e ditaduras fazem às pessoas, às famílias e ao país.
Reviver o passado traumático da nossa história é condenar o futuro do país e do seu povo. A democracia brasileira não tem medo de bravatas.
O Brasil estará unido para manter as liberdades civis, a imprensa livre e as garantias fundamentais. A Nação não deixará de ter fidelidade aos seus valores democráticos."

João Doria
Governador do Estado de São Paulo

> Eduardo Bolsonaro acena com a volta de ditadura se Brasil repetir o Chile

Catarse

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!